Câmara em Pauta Prisão da cúpula da Secretaria de Saúde fazem distritais insistirem em abertura de CPI
Compartilhar
Tweetar

Prisão da cúpula da Secretaria de Saúde fazem distritais insistirem em abertura de CPI

Publicado em: 25/08/2020

A prisão do secretário Francisco Araújo junto com toda a cúpula da Secretaria de Saúde do DF, na manhã desta terça-feira (25), levou diversos deputados a reafirmarem a urgência de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara Legislativa para apurar os desvios na pasta. O pedido de abertura de investigações foi apresentado, em julho passado, pelo deputado Leandro Grass (Rede) e contava – até o final da sessão remota de hoje, que durou menos de uma hora por falta de quórum – com doze assinaturas (veja lista ao final), número acima do exigido. Porém, seguindo o Regimento Interno, a solicitação deve entrar em uma espécie de “fila” porque há outros requerimentos aguardando a instalação.

Para o autor da “CPI da Pandemia”, como vem sendo chamada, mesmo tendo ciência da importância dos pedidos já protocolados (como de uma CPI dos maus-tratos de animais), a situação exige que a CLDF supere as questões regimentais para investigar e apurar a responsabilidade dos que estão cometendo ilícitos na saúde pública. “A hora é agora”, declarou. Grass convocou os outros 12 colegas que ainda não o fizeram a subscrever o documento. “Vamos juntos realizar esta CPI e fechar a torneira da corrupção e do desvio do dinheiro publico”, conclamou. O parlamentar lamentou ainda que o ex-secretário Osney Okumoto tenha sido reconduzido ao cargo.

“A única pornografia que a Casa tem de condenar é essa: a pornografia com o dinheiro público”, afirmou o deputado Fábio Felix (Psol), fazendo referência à proposição que tramita na Câmara Legislativa. Na avaliação do distrital, “a sociedade brasiliense está perplexa”, por esse motivo, “é o momento de a CLDF se abalar e não manter a normalidade. Temos de iniciar um grande debate sobre a saúde do Distrito Federal, pois não é possível aproveitar-se de uma situação trágica pra lucrar”.

Os deputados petistas Arlete Sampaio e Chico Vigilante também lamentaram as prisões e ratificaram a urgência da instalação da investigação no Parlamento. “Num momento em que o DF ultrapassa os 150 mil contaminados pelo coronavírus e mais de 2 mil mortes pela Covid-19, chegamos a essa situação”, comentou Arlete. Já o seu colega de partido ironizou: “Essa é a nova politica: aproveitar-se da pandemia para fazer malfeitos no setor de saúde”.

Resposta à sociedade

Jorge Vianna (Podemos) corroborou a solicitação da abertura da CPI. “Infelizmente, Brasília tornou-se um exemplo ruim no combate da pandemia. Muitos deputados fizeram denúncias e a falta de comunicação com a pasta da Saúde levou a isso. Não podemos esperar boletins para saber o que está acontecendo, por isso, assinei hoje o pedido”, afirmou.

A notícia da prisão da cúpula da Saúde, segundo o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), além de deixar todos muito tristes, tem um enorme impacto social. “Mas, os fatos não chegam a ser novidade, pois já ocorreram ações anteriores do Ministério Público nessa direção”, comentou. Também chamou a atenção para o viés político da CPI. “Há nisso tudo uma ação política que cabe ao Parlamento investigar”, declarou. O distrital criticou o governador por não apoiar o Ministério Público. “Quem deve que pague pelos seus erros”, completou.

Na avaliação de Roosevelt Vilela (PSB), os deputados distritais não podem silenciar. “Como a população verá o posicionamento da Câmara Legislativa?”, indagou, apoiando a abertura da CPI. “Temos de investigar atitudes éticas e morais dos nossos gestores. Instalar a comissão de inquérito imediatamente é dar uma resposta a sociedade. Enfrentamos variadas circunstâncias das quais não nos orgulhamos. A Câmara Legislativa não pode voltar a ser motivo de chacota”, reiterou.

A deputada Júlia Lucy (Novo) também propugnou que os gestores públicos precisam passar pelo crivo da investigação no Legislativo. “Não vou condenar o secretário nem ninguém, mas a Câmara Legislativa não tem alternativa senão instalar a CPI”, disse. Ela lembrou que sempre classificou como “risco” a dispensa de licitação. “É preciso abrir as contas desses contratos”, reforçou.

Prejuízo às investigações

A condição de delegado de polícia levou o deputado Fernando Fernandes (Pros) apresentar uma posição contrária àquela de colegas que o antecederam nos discursos. Ele lamentou a prisão do secretário e da cúpula da Saúde, parabenizou os órgãos envolvidos nas investigações, mas afirmou não ver motivo para uma CPI na Casa para tratar do assunto. Na opinião dele, a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito, agora, “poderia prejudicar as investigações”. Segundo o distrital, o fato de as prisões terem sido preventivas e não temporárias mostram que o inquérito está numa fase avançada, próximo de ser concluído.

Líder do governo na CLDF, o deputado Cláudio Abrantes (PDT) informou aos colegas que falou com Osney Okumoto, que está de volta à Secretaria de Saúde, e este se propôs a conversar com os parlamentares na próxima semana. “Apesar de já ter estado na função, ele precisa tomar assento da atual situação para fornecer respostas e dados mais precisos”, observou. Sobre as prisões, Abrantes destacou que o Ministério Público está fazendo seu trabalho e que o governador já afastou os envolvidos.  “Esperamos que tudo seja esclarecido no menor tempo possível”, apostou.

Distritais que assinaram o requerimento

– Leandro Grass (Rede), autor

– Arlete Sampaio (PT)

– Chico Vigilante (PT)

– Daniel Donizet (PL)

– Eduardo Pedrosa (PTC)

– Fábio Felix (Psol)

– João Cardoso (Avante)

– Jorge Vianna (Podemos)

– Júlia Lucy (Novo)

– Prof. Reginaldo Veras (PDT)

– Reginaldo Sardinha (Avante)

– Roosevelt Vilela (PSB)

 

Marco Túlio Alencar

(Visited 1 times, 1 visits today)
Compartilhar
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados