Responsive Ad Slot

TITULO DA CAMPANHA

Rede dos Estados Unidos pela Democracia no Brasil lança campanha “Marielle Presente”

Postado por Simone de Moraes

6/03/2019 15:46


Crédito: Reprodução

International Press Committee (Boston) – A Rede dos Estados Unidos pela Democracia no Brasil (U.S. Network for Democracy in Brazil) está promovendo, no mês de março, uma campanha nacional de memorização da ativista Marielle Franco por ocasião do primeiro ano do seu assassinato, 14 de março.

A campanha “Marielle Presente” está chamando para eventos a serem realizados em algumas cidades americanas e organizados em várias datas. Os eventos – conferências, debates, e exibição de um filme documentário sobre Marielle – são organizados por grupos filiados à rede. As atividades serão abertas ao público.

Marielle Franco era uma ativista política, feminista e defensora dos direitos humanos. Ela estava servindo como vereadora da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, no Brasil, para o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) quando foi morta. Seu assassinato ainda está sob investigação e aparentemente está relacionado ao “grupo de milícias”.

A vereadora era uma crítica declarada da violência policial e de grupos de extermínio contra especialmente os pobres e negros dos campos do Rio de Janeiro. Durante as investigações de seu assassinato, as balas que mataram a Marielle Franco e também o motorista que estava conduzindo ela na ocasião, foram identificadas como provenientes de um lote comprado pela polícia federal em Brasília (capital do Brasil).

Dois policiais do alto escalão da milícia no Rio de Janeiro que foram presos no começo deste ano são suspeitos de assassinar a vereadora. Ambos receberam, no passado, homenagens do filho do atual presidente da república Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, eleito senador pelo Rio de Janeiro.

A US-NDB decidiu organizar a campanha “Marielle Presente” como forma de chamar a atenção e educar o público sobre a situação no Brasil cuja democracia está em risco desde a posse do presidente Jair Bolsonaro, em janeiro passado.

O governo tem se revelado autoritário, intolerante e retrógrado em relação aos direitos humanos, especialmente em relação às minorias e categorias sociais, como indígenas, mulheres, trabalhadoras rurais, negras, LGBT +, religiosas de matriz africana (candomblé), ambientalistas e jornalistas. Esses grupos sociais são considerados vítimas vulneráveis ​​de injustiças sociais no atual cenário sociopolítico do país.

A US-NDB é uma organização apartidária que visa apoiar a democracia no Brasil. A organização é composta por vários grupos filiados organizados por acadêmicos e ativistas brasileiros e não brasileiros que vivem nos Estados Unidos.

https://www.facebook.com/democracybrazil/

International Press Committee (IPC) constitui um grupo de jornalistas e produtores independentes que apoiam a US-NDB. IPC trabalha em conjunto com a Rede Defend Democracy in Brazil (Brasil) e outros colaboradores. Contatos:

(EUA) Ana Alakija ana.alakija@gmail.com  l Ana Paula Vargas paula.vargas@gmail.com

(Brazil) Simone de Moraes simonedemoraes2009@gmail.com  l Mery Bahia meryba2222@hotmail.com  (Canadá) Isabela Santana beullus@gmail.com    (Portugal) Maria Alice nareal.alice@gmail.com

Imagem relacionada

 

(Visited 1 times, 1 visits today)