Câmara em Pauta Em ação coordenada por Sérgio Moro, policiais armados cumprem mandado na USP
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Em ação coordenada por Sérgio Moro, policiais armados cumprem mandado na USP

Policiais civis fortemente armados surpreenderam a comunidade acadêmica da USP na manhã desta quinta-feira (28) ao entrarem em salas de aula da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) para prender um aluno, alvo de busca em operação contra pornografia infantil.

A pergunta da Instituição é? “Por que o aluno não foi preso na sua residência, como seria típico de um flagrante? Para quê interromper aulas com armas à vista na Universidade? Para quê mobilizar duas dezenas de policiais uniformizados e com uso de metralhadoras para prender o acusado nos prédios da USP?”.

Desencadeada em 26 estados e no Distrito Federal, a ação partiu de uma investigação do Ministério da Justiça, segundo o ministro Sérgio Moro. “Não foi um trabalho exclusivo do Ministério da Justiça, isso foi feito em parceria com policias estaduais, mas o trabalho foi coordenado a partir daqui. Pesquisas, investigações via cibernéticas foram feitas concentradas aqui no Ministério da Justiça. Esse material foi disseminado para os órgãos de investigação estaduais que propiciou a realizar essa operação”, disse, em entrevista coletiva, divulgada no Portal G1.

Em nota, a diretoria da FFLCH reiterou seu apoio no combate a crimes potencialmente graves, destacando, inclusive, a tradição de estudos e ações nesse sentido, mas repudia a desproporcionalidade entre os fins e os meios do procedimento policial.

“Sem entrar no mérito das acusações, que a Justiça irá julgar, resguardados os direitos também do acusado, de acordo com os preceitos do Estado democrático (…)Por que o aluno não foi preso na sua residência, como seria típico de um flagrante? Para quê interromper aulas com armas à vista na Universidade? Para quê mobilizar duas dezenas de policiais uniformizados e com uso de metralhadoras para prender o acusado nos prédios da USP?”, questiona o texto.

A diretoria da faculdade acionou a procuradoria da USP, buscando esclarecer o episódio.

“Não vamos aceitar calados que a imagem da FFLCH-USP e a autonomia desta instituição sejam violados por ações injustificáveis. O mais do que necessário combate à criminalidade não pode justificar a agressão às instituições universitárias”, diz trecho da nota.

Leia a íntegra da reportagem.

 

Do 247 e G1

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03