Câmara em Pauta Polêmica na Audiência Pública sobre Gestão Democrática nas escolas do DF
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Polêmica na Audiência Pública sobre Gestão Democrática nas escolas do DF

Audiência Pública convocada pela deputada Rejane Pitanga (PT) lotou o auditório da CLDF na tarde desta segunda-feira (28). Estudantes do ensino médio de várias escolas do DF, professores, pais de alunos, representantes de entidades sindicais e vários parlamentares, participaram do debate, além de Regina Vinhares, Secretária de Educação do GDF.

Transformar a atual Gestão Compartilhada, aprovada no Governo passado e suspensa por liminar em dezembro de 2010, em Gestão Democrática do Ensino, foi o eixo central da audiência. A deputada Eliana Pedrosa (DEM) disse que é preciso ofertar aos dirigentes das escolas cursos de gestão, e ressaltando que a formação deve se estender também aos assistentes da educação, descentralizando a educação.

Para o Professor Júlio Barros, representante do Sindicato dos professores – SINPRO “a gestão compartilhada é uma farsa que tem por intenção privatizar a educação enquanto na gestão democrática os alunos são sujeitos, os funcionários votam, existe um conselho escolar que democratiza e da transparência as decisões”.

O estudante André Costa, representando a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas _ UBES defendeu o voto igualitário nas eleições para diretor e reivindicou que os conselhos escolares deixem de ser compostos por estudantes fantasmas que muitas vezes nem são alunos da escola, que seja divulgado o processo de escolha e que o conselho escolar divulgue a ATA de suas reuniões. O estudante ressaltou ainda que praticamente nenhuma escola privada do Distrito Federal, permite a criação e espaço aos grêmios estudantis, tendo estes o importante papel de representar os estudantes.

Polêmica

Um dos pontos polêmicos de que trata a nova proposta para a educação do Distrito Federal, é a eleição para diretores, que com a Gestão Compartilhada, é precedido por uma prova que classifica ou não o professor para concorrer à eleição como diretor. E o mesmo ficando em 2º lugar na eleição, ele pode assumir uma escola que nunca trabalhou. Já na Gestão Democrática proposta, o requisito da prova fica eliminado, e prevê-se uma paridade de 50% para alunos e pais, e 50% para professores e funcionários na escolha da direção da escola.

Confira entrevista com a Deputada Rejane Pitanga, concedida ao final da audiência e que explica os pontos divergentes entre os dois tipos de gestão da educação.

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03