Câmara em Pauta No Dia Mundial da Água, quilombolas do Rio dos Macacos pedem socorro
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

No Dia Mundial da Água, quilombolas do Rio dos Macacos pedem socorro

Hoje, no Dia Mundial da Água, 22 de março, os quilombolas do Rio dos Macacos não têm o que comemorar. Apesar da titulação do terreno, conquistada em 28 de julho de 2020, depois de uma luta de quase 50 anos, eles foram impedidos pela Marinha de utilizar a única fonte de água, alimento e renda: o Rio dos Macacos.

Sem conseguirem pescar, cultivar e criar animais, os quilombolas ainda são obrigados a conviver com a repressão militar. As atitudes de intimidação e violência são frequentes. Além do muro construído para impedir o acesso ao rio, um portão instalado na entrada do Quilombo controla o acesso de moradores e visitantes. Carteiros e carros não têm permissão para entrar.

A demarcação do território, que existe há mais de 200 anos, deveria ser de 270 hectares, mas foi reduzida para 98. Os 196 hectares restantes foram destinados à Marinha, inclusive o rio. Mesmo com o pedido da Defensoria Pública da União para que o acesso à barragem seja compartilhado, a multa diária de R$ 1000,00, por indivíduo que descumprir a ordem da juíza federal Mei Lin Lopes Wu Bandeira foi mantida.

Formado por 110 famílias, o Quilombo Rio dos Macacos fica situado em São Tomé de Paripe, entre Salvador e Simões Filho. A maioria dos moradores sobrevive da pesca, do plantio, da produção de dendê e da criação de animais. Sem a água do rio, nem para o consumo próprio, a comunidade corre o risco de ser dizimada.

A história de luta pela posse do território

O território onde está localizado o Quilombo Rio dos Macacos pertencia à antiga Fazenda Macacos. Em 1960, a área foi doada, indevidamente, à Marinha do Brasil pela Prefeitura de Salvador. Em 1961, os militares construíram a barragem no Rio dos Macacos e em 1969, a Base Naval de Aratu. Os conflitos entre quilombolas e militares começaram exatamente nessa época. Mas, a ação na justiça movida pela Marinha para reivindicar a posse exclusiva do território, só foi iniciada em 2009. Os quilombolas reagiram e obtiveram em 2011, a formalização e reconhecimento do Quilombo pela Fundação Palmares. Nesse mesmo ano, foi feito o primeiro pedido de demarcação das terras ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Mas, só em 2020, quase uma década depois, a líder comunitária, Rosemeire dos Santos, 41, finalmente, assinou a escritura de posse da terra, na sede regional do Incra em Salvador.

A partir daí, se inicia um processo de violências e racismo institucional por parte da Marinha do Brasil e graves violações de Direitos Humanos, como o não acesso à água, energia elétrica, saúde, educação etc. Com a impossibilidade de acessar o rio, a situação das famílias ficou ainda mais precária. Morando em casas feitas de madeira, barro e telhado de amianto, os quilombolas sobrevivem graças às doações em dinheiro e cestas básicas, que recebem.

Chega de Mágoa

A campanha #SOSQuilomboRioDosMacacos surgiu como mais uma iniciativa de contribuir para a melhoria da qualidade de vida dessas famílias. Inspirada na música “Chega de Mágoa”, gravada em 1985, pelo projeto Nordeste Já, com o objetivo de alertar sobre a seca que atingia a região Nordeste do país, a campanha pretende reunir vários artistas na regravação da canção, que foi comparada ao sucesso americano “We Are The World”.

Vários artistas já confirmaram a participação no clipe. Dentre eles, Dão Black, Tatau, Raimundo Lima (Rallie), Marcia Short, Magary Lord, Irma Ferreira e a atração internacional, Nadine Caesar. A live de lançamento da campanha será no sábado (27), às 19h, no canal do Jornalistas Livres no Facebook e no YouTube, e será retransmitida pelos canais do Debate Petroleiro, Ondas Brasil, CUT Bahia, MAB, MST, CUT Nacional, entre outros.

O objetivo desta iniciativa é superar a invisibilidade política e chamar a atenção da opinião pública sobre o drama vivido pelos quilombolas, que continuam proibidos pela Marinha de acessar o Rio dos Macacos, única fonte de água limpa da região; além de mostrar a importância da solidariedade, a necessidade de fomentar políticas públicas específicas para os quilombos existentes no país e conquistar mais apoiadores para a campanha, especialmente, artistas e formadores de opinião.

Mediada pelo advogado e apresentador do Debate Petroleiro, Jailton Andrade e pela mestranda em Ciência Sociais e maestrina da Banda Didá, Adriana Portela, a live terá a participação da líder quilombola, Olinda Oliveira; do senador Paulo Paim (PT-RS); da deputada federal, Benedita da Silva (PT-RJ); da deputada estadual, Leci Brandão (PCdoB-SP); da deputada estadual, Olívia Santana (PCdoB-BA) e das vereadoras Maria Marighella (PT-BA) e Marta Rodrigues (PT-BA).

Os cantores baianos Magary Lord, Dão Black, Raimundo Lima (Rallie) e a cantora Irma Ferreira, também estarão presentes na live, que contará com a participação do diretor comercial da Camisa da Latinha, João Neto, e do publicitário Aloysio Petitinga, criador da coleção “Te Quero Peixe”, feita especialmente para a campanha #SOSQuilomboRioDosMacacos. Parte do dinheiro adquirido com a venda das camisas será usada para custear a produção e a edição do single “Chega de Mágoa”.

Compre uma camisa da campanha #SOSQuilomboRioDosMacacos https://www.camisadalatinharevenda.com.br/quilombo-rio-dos-macacos

📽️ Assista na íntegra o documentário “Quilombo Rio dos Macacos, o filme” https://www.youtube.com/watch?v=-c0GXT1ICis

Compartilhe as hashtags: #SOSQuilomboRioDosMacacos #ChegaDeMágoa #EuQueroÁgua #EuQueroPeixe

 

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03