Responsive Ad Slot

TITULO DA CAMPANHA

Robôs irão publicar textos na Globo a partir de 1º de janeiro de 2021

Postado por Simone de Moraes

31/12/2020 13:50


Crédito: Reprodução

Blog do Esmael:  O portal G1, da Rede Globo, anunciou para este 1º de janeiro de 2021 o emprego de robôs na produção de texto jornalístico. O uso da inteligência artificial (AI) começará na posse de prefeitos e de vereadores em cada um dos 5.568 municípios brasileiros.

O G1 conta que fez essa bruxaria pela primeira vez no primeiro turno das eleições municipais de 2020.
Embora não revele a tecnologia, o Blog do Esmael sabe que a Globo experimenta a tecnologia do GPT3 (Generative Pre-Training Transformer 3), que é um pré-editor de texto que “adivinha” o restante da matéria porque ele possui o modelo de 175 bilhões de parâmetros. Trata-se de uma tecnologia do projeto americano API OpenAI.

A Globo/G1 relata que sua equipe formada por engenheiros e cientistas de dados do COE Analytics, com o apoio do MediaTech Lab (da área de Tecnologia), desenvolveu um sistema e com o auxílio de inteligência artificial moldou essa base para que os dados fossem aproveitados da maneira correta.

“Com uma metodologia inovadora de processamento de linguagem natural e técnicas de programação, foram feitas as correções e adequações sintáticas necessárias para chegar a um texto coeso e coerente.”
As publicações automatizadas do G1 tem o objetivo de “ensinar” a máquina e escrever sozinha. Com isso, após esse refinamento e aprendizado, o jornalismo poderá dizer adeus ao jornalismo produzido por humanos.

Nessa fase, o da posse de todos os prefeitos e vereadores, os robôs da Globo irão escrever textos que contemplarão ocupação e patrimônio do vice-prefeito, apontará qual partido detém a maior bancada, a quantidade de vereadores por partido, a relação de vereadores eleitos e também informações sobre o município, como população, Produto Interno Bruto (PIB) e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Todo esse conteúdo, caro leitor, será gerado sem a presença de nenhum jornalista. Bastará um técnico apertar a tecla “start” (iniciar) para a publicação ser exibida em todos os veículos da velha mídia.
Em julho passado, num post sobre a eleição presidencial dos EUA, eu citei o GPT-2, já superado pela nova versão, que trazia uma entrevista/reportagem na revista britânica The Economist, de dezembro de 2019. Nela, o editor Tom Standage, entrevista a esse programa de inteligência artificial, em São Francisco, na Califórnia, sobre o resultado das eleições americanas:

Pergunta: Você acha que Donald Trump ganhará um segundo mandato?
Inteligência Artificial: Eu acho que ele não vai ganhar um segundo mandato. Eu acho que ele será derrotado nas eleições gerais.

Portanto, seria de bom grado que os jornalões brasileiros identificassem seus textos, obrigatoriamente, com “produzido por robôs”, sob pena de todos comerem gato por lebre.

Em termos práticos, o uso de robôs nas redações significará o fim de centenas de empregos para jornalistas a curtíssimo prazo. Isso ajudará muito os barões da mídia maximizar seus lucros e massacrar a concorrência de pequenos portais.

(Visited 1 times, 1 visits today)