Câmara em Pauta Sem traquejo para liturgia da cerimônia, deputados do PSL criticam fala de Rosa Weber
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Sem traquejo para liturgia da cerimônia, deputados do PSL criticam fala de Rosa Weber

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber,  durante a cerimônia de diplomação de Jair Bolsonaro (PSL) e Hamilton Mourão (PRTB) usou da sua prerrogativa de presidente da Corte, para falar de direitos humanos, data comemorada no dia de hoje (10/10), quando o Tratado Internacional de Direitos Humanos completa 70 anos.

Apenas para 700 convidados vips, a presidente do TSE usou a Tribuna por cerca de 20 minutos,  ressaltando a importância dos governantes de proteger direitos básicos a todos os cidadãos do mundo. “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos, sem distinção de raça, língua, crença, origem nacional, orientação sexual, identidade de gênero, ou qualquer outra condição”, afirmou.

Considerada o pilar do reconhecimento da dignidade humana, e o fundamento da liberdade, da justiça e da paz para todos os povos, a data comemorativa recebeu da ministra a ressalva de que as minorias não devem ter suas posições “abafadas” pelas maiorias. “Em especial aquelas estigmatizadas e em situação de vulnerabilidade”, como recomenda o Tratado.

Mas ao invés de louvar o lúcido discurso da Ministra, os deputados federais eleitos pelo partido de Bolsonaro, tomaram as palavras de Weber como carapuça. A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), recordista de barracos em seu partido, disparou: “Fora de tom e de propósito. Desnecessário”(sic), sem esconder que está cumprindo o scrip de “demonizar” as “Cortes”

No mesmo tom uníssono com o de Joice,  Carla Zambelli (PSL-SP) também criticou o tempo utilizado pela presidente do tribunal e defendeu que houvesse réplica a ela (sic). Não existe réplica em solenidade de posse, a não ser é claro, em algumas conjuntos habitacionais populares, na posse do sindico de condomínio.

Já o “nobre” deputado eleito Luiz Philippe de Orleans e Bragança, também cumprindo o script, classificou o discurso como “inadequado”. Talvez constrangido, não explicou o que é “inadequado” na sua principesca opinião de soldado mandado.

Já a deputada de extrema-direita Bia Kicis,  representante do DF pelo PRP, mas de malas prontas para o PSL, também se sentiu incomodada com o discurso da ministra Rosa Weber, e disse que a posição da ministra era uma “aulinha”. Aulinha que ela cabulou no curso de direito.

 

 

Com informações da Ag.Brasil e Congresso em Foco

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03