Câmara em Pauta Polícia Civil do DF investiga tráfico de influência dentro do Palácio do Buriti
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Polícia Civil do DF investiga tráfico de influência dentro do Palácio do Buriti

Ocupantes de cargos públicos na Secretaria da Casa Civil e Câmara Legislativa podem ter favorecido empresas dentro do governo de Brasília. Entre elas, o Hospital Home e o Shopping Iguatemi.

A Operação 12:26 da Polícia Civil deflagrada nesta terça-feira (07) investiga suposto tráfico de influência e advocacia administrativa no GDF.

A polícia encontrou indícios que os integrantes do grupo criminoso conseguiram favorecer o Hospital Home no pagamento de R$ 1 milhão feito pelo Governo de Brasília.

As investigações também revelaram que o grupo obteve contrato de aluguel irregular de mais de R$ 870 mil, por mês, com a Secretaria da Casa Civil.

Outra irregularidade apurada é a tentativa de conseguir junto ao governo de Brasília aumentar a área construída do shopping Iguatemi.

Na operação 12:26 foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e em São Paulo. O gabinete do assessor especial da Casa Civil, Marcello Nóbrega, foi um dos alvos. E também a sala de trabalho do administrador do Lago Norte, Marcos Wootmann.

Em São Paulo, escritórios de executivos do Iguatemi foram alvos de buscas e apreensões. Durante a operação, foram recolhidos documentos, celulares e computadores que irão ajudar no aprofundamento das investigações.

Ainda entre os investigados na Operação 12: 26, estão os ex-funcionários do gabinete do deputado Rodrigo Delmasso (PRB).

O delegado-chefe da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado, Fernando César Costa, esclarece como as pessoas ligadas a administração pública agiam para favorecer empresários.

Os envolvidos podem responder por tráfico de influência e advocacia administrativa. Os crimes ocorrem quando agentes tentam, por meio da influência que têm, conseguir vantagens dentro do governo.

A assessoria do Hospital Home garantiu que o pagamento de R$ 1 milhão foi referente contrato de serviços realmente prestados pela instituição à Secretaria de Saúde.

Em nota, o deputado Rodrigo Delmasso, afirmou que soube do assunto apenas nesta terça-feira e já determinou a exoneração de um dos servidores envolvidos.

Já o Iguatemi, esclareceu que todos os requerimentos para o aumento da área do shopping atenderam os trâmites legais.

Até o fechamento desta reportagem, a Casa Civil e a administração do Lago norte não haviam se posicionado sobre a operação da polícia que investiga tráfico de influência no órgão.

 

Rádio Agência

 

 

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03