Câmara em Pauta Rafael Prudente anuncia que seguirá ordem cronológica para instalação de CPI
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Rafael Prudente anuncia que seguirá ordem cronológica para instalação de CPI

Depois de muita discussão sobre a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, o presidente da Câmara Legislativa, deputado Rafael Prudente (MDB), decidiu que seguirá a ordem cronológica de apresentação dos requerimentos de criação das CPIs. Desta forma, a próxima comissão a ser instalada será a que investigará maus-tratos a animais, que tem como primeiro signatário o deputado Delmasso (Republicanos). O requerimento de criação da CPI da Pandemia é o terceiro da fila.

Existem cinco CPIs aguardando instalação na Casa e o Regimento Interno da Câmara limita o funcionamento de somente duas ao mesmo tempo. Atualmente, já existe a CPI do Feminicídio em operação. Pela ordem cronológica, depois da CPI dos Maus-tratos a Animais, aparecem a CPI das Fake News, CPI da Pandemia, CPI para apurar sonegação dos bancos e uma CPI da Saúde mais ampla para investigar os governos Agnelo Queiroz, Rodrigo Rollemberg e Ibaneis Rocha.

A CPI da Pandemia chegou a contar com 13 assinaturas, mas ontem o deputado Daniel Donizet (PL) decidiu retirar seu apoio e migrar para a CPI da Saúde. O presidente Rafael Prudente rebateu críticas sobre ações para evitar a instalação da CPI da Pandemia. “Não faltou boa vontade e paciência desta presidência. Mas tudo na vida tem limites. Demos todas as condições para que a CPI tivesse as assinaturas necessárias”, disse.

Prudente negou qualquer manobra e insistiu que a Casa deveria voltar a funcionar normalmente e apreciar projetos. “Estamos desde o dia 19 de agosto, quase 30 dias, sem apreciar nenhum projeto nesta Casa. Estou aqui no papel de juiz e coordenador das sessões. Precisamos que esta Casa volte à normalidade e analise os projetos que estão parados”, afirmou, acrescentando que estava cumprindo o Regimento Interno e que tentou nas últimas semanas resolver o impasse com uma consulta ao colégio de líderes, mas não obteve sucesso.

O presidente informou ainda que o Diário da Câmara Legislativa (DCL) publicará amanhã a proporcionalidade dos blocos partidários da Casa para indicação de membros para a CPI dos Maus-tratos a Animais. Em seguida serão publicados os demais requerimentos de CPI pendentes.

Discussão intensa e acusação de manobras

No início da sessão extraordinária remota desta terça-feira (15), vários signatários da CPI da Pandemia se manifestaram com críticas ao que chamaram de “manobras” para evitar as investigações. A discussão continuou depois do anúncio da decisão do presidente. Os deputados Fábio Felix (Psol), Leandro Grass (Rede) e Arlete Sampaio (PT) passaram a cobrar uma consulta ao colégio de líderes para que a CPI da Pandemia pudesse ter prioridade. Rafael Prudente não acatou o pedido, alegando estar respaldado pelo Regimento Interno da Casa.

Também defenderam a instalação da CPI da Pandemia em diversas manifestações os deputados Chico Vigilante (PT), Jorge Vianna (Podemos), Júlia Lucy (Novo) e Prof. Reginaldo Veras (PDT). Vigilante argumentou com jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), que, segundo ele, “garante instalação compulsória, independentemente de deliberação plenária”. Ele também acusou o governador de oferecer cargos aos deputados para evitar a CPI. “Se alguém tem dúvida do que está rolando, verifique o que está sendo publicado no Diário Oficial todos os dias. Estão baixando muito o nível”, criticou.

Já a deputada Arlete Sampaio considerou que a decisão do presidente ignorou o que aconteceu nas últimas semanas. Para ela, caso a CPI da Pandemia tenha que aguardar na fila, a investigação perderá o timing. Júlia Lucy afirmou que o Regimento Interno estava sendo desrespeitado e sinalizou que o caso poderá parar na Justiça. Na opinião do deputado Prof. Reginaldo Veras, a Câmara errou gravemente e “vai pagar caro por isso”.

O deputado Leandro Grass, primeiro signatário da CPI da Pandemia, cobrou transparência e independência do Legislativo. Para ele, a CLDF está abrindo mão de fiscalizar o Executivo. “A CPI não é para investigar partido, mas para investigar crimes, roubos, desvio de dinheiro público. Isto tudo é lamentável. Não vamos subestimar a inteligência do povo”, sustentou.

Calma e respeito aos colegas

O deputado Delmasso disse que defende o cumprimento do Regimento Interno e a instalação das CPIs protocolizadas em ordem cronológica. O parlamentar também explicou seu posicionamento contrário à CPI da Pandemia. “Eu sou totalmente contra a instalação de CPI para apurar fatos que já estão sob investigação por parte do Ministério Público. Na minha avaliação o MP, tem todas as ferramentas para investigar e apresentar denúncias. O MP é o único órgão isento politicamente para investigar qualquer cidadão”.

Já o deputado Valdelino Barcelos (PP) pediu calma e respeito aos colegas. Segundo ele, os distritais não devem se precipitar e nem acusar os parlamentares sem que haja um fato concreto. Na mesma linha, o deputado Hermeto (MDB) destacou que todos os deputados foram eleitos e têm os mesmos direitos. Para ele, qualquer deputado tem o direito de optar por ampliar a investigação. “Acredito no MP, que tem feito seu trabalho. Deixa que a Justiça agora faça sua parte”.

O deputado Daniel Donizet (PL) esclareceu que é “totalmente favorável à CPI da Pandemia”. Ele fez um resgate cronológico e garantiu que foi um dos primeiros a assinar a CPI, ainda em junho. “Da minha parte não houve jogo político. Retirei a assinatura para apoiar uma CPI mais ampla proposta pelo deputado Roosevelt Vilela (PSB)”, justificou, ponderando que nada impede que a investigação comece pelos casos mais recentes.

Luís Cláudio Alves

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03