Câmara em Pauta Noam Chomsky vê tentativa de golpe no Brasil em andamento
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Noam Chomsky vê tentativa de golpe no Brasil em andamento

De Boston– O cientista social estadunidense Noam Chomsky disse ontem à International Press Agency Pressenza que um ‘golpe brando’, similar ao impeachment de Dilma, em 2016, pode estar sendo articulado por um bando de gangsters corruptos e através de métodos fraudulentos, ao avaliar fatos do contexto brasileiro e latino-americano.

Chomsky disse que enquanto os EUA aumentam a interferência em questões internas nos países latino-americanos, especialmente por meio de ‘golpes brandos’, o Brasil está quase diariamente testemunhando ameaças à democracia pelo capitão do exército aposentado e oficiais militares de alto escalão.

Esse comportamento inclusive se revelou recentemente após a reunião secreta do diretor da Central de Inteligência Americana (C.I.A.), William Joseph Burns, com o presidente Jair Bolsonaro em Brasília, no último mês de julho. Na opinião do sociólogo, Jair Bolsonaro teria tirado proveito da informação do encontro, aparentemente vazado para a imprensa pelo próprio governo brasileiro. Isso demonstra que  “ algo muito preocupante pode estar por trás disso.”

Para Chomsky, outra evidência da articulação do golpe são os mais recentes ataques de Bolsonaro à democracia. O presidente manteve as acusações sem provas através de canal público em sua live pela internet nos últimos dias de que as eleições de 2014 e de 2018 foram fraudulentas afirmando que ele tinha provas disso e depois disse que não as tinha; e incitou o povo brasileiro a reagir dizendo que o povo “vai reagir” se o país não tiver “uma eleição democrática” no ano que vem, para defender o voto impresso, depois do Tribunal Superior Eleitoral ter apurado e divulgado que o sistema eletrônico é auditável e seguro e que não houve fraude nas votações dos anos anteriores.

A forte militarização da política e da segurança pública do Brasil ––há 6.157 militares servindo no regime de Bolsonaro e vários ministros–– é também outro indício do golpe, fato considerado como algo sem precedentes desde 1985.

Bolsonaro e oficiais militares invocam o polêmico artigo 142 da Constituição brasileira, conhecido como “Garantia da Lei e da Ordem”, que afirma que as Forças Armadas (Marinha, Exército e Força Aérea) são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas na base da hierarquia e disciplina, sob a autoridade suprema do presidente, e visam a defesa da pátria, a garantia dos “poderes constitucionais” (executivo, legislativo e judicial) e, por iniciativa de qualquer um deles, lei e ordem.

Segundo a Pressenza, o índice de aprovação de Bolsonaro em queda livre e a liderança do ex-presidente Lula nas pesquisas eleitorais crescendo cada vez mais são fatores que contribuem para o aumento das ameaças à democracia brasileira por parte do presidente Bolsonaro. Diante de um Congresso e sistema de Justiça totalmente passivo e impotente.

A matéria de avaliação de golpe pela Pressenza foi feita antes da decisão de ontem do TSE de abrir inquérito administrativo para apurar denúncias de fraude no sistema eletrônico de votação e encaminhamento de notícia-crime ao STF contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, por divulgação de fake news.

Encontro secreto com a CIA

Sobre o encontro com a CIA, a Pressenza ouviu também um ex-agente da CIA, Kiriakou, conhecido como aquele que denunciou a tortura como modalidade usada pelo órgão americano. “Não é incomum que um diretor da CIA se reúna com líderes de nações estrangeiras”, o ex-agente teria dito. “Mas a única maneira da notícia da visita de um dirigente da CIA se espalhar é por meio de um vazamento ou quando ela é divulgada pelo país anfitrião”.

O ex-agente da CIA considerou ainda que os americanos de extrema direita, liderados pelo ex-presidente Donald Trump, estão exportando para o Brasil seu modelo de assalto à democracia. E que esse pode ter sido o motivo da recente visita do diretor da CIA.

Apesar do diretor da CIA ter sido enviado pelo presidente Joe Biden, e não por Trump, a visita de Burns  “transmite uma mensagem perigosa de que os Estados Unidos estão dispostos a trabalhar com líderes autocráticos, não importando quem seja o presidente, e que um líder não precisa respeitar o Estado de Direito para manter laços estreitos com os EUA”, disse o agente.

O próprio Biden seria parte desse “deep state” norte-americano, teria dito o agente, que lamentou o “duplo papel” que os EUA continuam prestando como um velho desserviço à democracia em todo o mundo, sempre que os interesses de Washington estão em jogo.

 

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03