Câmara em Pauta Debora Guerner ensaia mais um ato da novela “Mensalão do DEM”
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Debora Guerner ensaia mais um ato da novela “Mensalão do DEM”

Às vesperas do segundo aniversário do escândalo conhecido como “Caixa de Pandora” ou “Mensalão do DEM”, a promotora Deborah Guerner protagonizou mais um ato de sua novela particular. Desta vez não houve desmaios ou cenas de descontrole emocional. Na última sexta (25), a ainda promotora entrou  com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF), pedindo em caráter liminar, a anulação da pena de demissão imposta pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Quem recebeu o pedido foi o ministro Gilmar Mendes, mas o STF só divulgou a informação na segunda (28).

Em março deste ano, a promotora respondeu a processo administrativo disciplinar no CNMP, que pediu a demissão de Guerner e de seu marido, o ex-procurador-geral do Ministério Público do DF Leonardo Bandarra. Ambos são investigados por crime de violação de sigilo funcional, concussão e formação de quadrilha e são acusados de envolvimento no suposto esquema de corrupção do “mensalão do DEM”

De lá pra cá, a promotora tem sido notícia por cenas de descontrole, que seriam ensaiadas e orquestradas pela defesa de Guerner. Em outubro, Bandarra entrou com recurso no STF contra a decisão do CNMP que determinou seu afastamento e o pedido de demissão dos quadros do Ministério Público. Os advogados da promotora sustentam que a decisão do CNMP foi baseada nos depoimentos de uma ex-secretária do ex-governador José Arruda, sem a participação da promotora e de seus defensores e que isso seria prova emprestada e não submetida ao contraditório.

A defesa de Deborah questiona ainda os depoimentos do delator do esquema, Durval Barbosa, que, por meio de delação premiada, denunciou supostas irregularidades cometidas pelo governador Arruda e o envolvimento de Deborah.

Ao pedir a anulação da sanção disciplinar, Deborah sustenta que a apuração tomou provas de ações penais, e caso seja absolvida destas, o suposto ato ilícito administrativo deixa de existir. No mandado de segurança, a alegação é de que “a repercussão de eventual absolvição da impetrante na esfera criminal será inevitável no processo disciplinar”.

Segundo denúncias de Durval Barbosa do suposto esquema, Durval Barbosa, Guerner e Bandarra teriam cobrado R$ 2 milhões de Arruda para não divulgar o vídeo em que ele aparece recebendo dinheiro de Durval Barbosa. As defesas do ex-procurador e da promotora negam as acusações.

Foto: Ed Ferreira/AE

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03