Câmara em Pauta Comissão Geral debateu revisão da Lei de Gestão Democrática da Educação
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Comissão Geral debateu revisão da Lei de Gestão Democrática da Educação

Prevista na legislação nacional e local que rege a educação, a gestão democrática foi tema de discussão na Câmara Legislativa na ultima quinta-feira (7), durante comissão geral – quando a sessão é transformada em debate para tratar de temas relevantes e o plenário, além dos parlamentares, recebe convidados. A iniciativa foi da deputada Arlete Sampaio (PT), presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), que destacou a urgência de aprofundar a questão.

O Plano Distrital de Educação determinou, em 2015, que em um prazo de 365 dias, a Lei de Gestão Democrática da Educação do Distrito Federal (Lei nº 4.751/2012) deveria ser adequada ao que foi estabelecido. Contudo, mais de cinco anos depois, a norma não foi revista e, nos últimos dias, voltou ao debate, principalmente, pela possibilidade de realização de eleição para a escolha dos gestores escolares – que culminou na prorrogação do mandato dos atuais dirigentes das escolas públicas –, que é apenas um item entre os tópicos abordados pela lei.

“Quando defendemos a gestão democrática, estamos assegurando uma norma prevista em lei, princípios que constam na Constituição Federal e na Lei Orgânica do Distrito Federal”, observou Arlete Sampaio, ao iniciar a discussão. A deputada considerou “justa” a aprovação pela CLDF do projeto de lei que estendeu o período dos gestores: “A pandemia interrompeu o dia a dia das escolas e não houve oportunidade para que eles exercessem plenamente seus mandatos”. Mas, frisou que a gestão democrática não se restringe a este item.

Entidades que representam diretores e ex-diretores de escolas públicas (ADEEPDF), integrantes da carreira Assistência à Educação (SAE-DF) e os professores da rede pública (Sinpro) corroboraram essa visão, enfatizando que a gestão democrática se faz no cotidiano. Coordenador do Fórum Distrital de Educação, Júlio Barros resumiu: “Não podemos limitar a discussão à trava que impede a reeleição. Essa é uma perspectiva reducionista que não leva em conta os fundamentos da gestão democrática, como pluralismo, autonomia e transparência”.

O professor entregou à deputada Arlete uma minuta de projeto de lei, pactuada, segundo ele, com a maioria das entidades do setor e a própria Secretaria de Educação, contendo pontos que precisam ser atualizados. “Quem tem de dar a palavra final é uma conferência”, defendeu ainda Barros. Segundo a distrital, o documento servirá para abrir o debate sobre o assunto no âmbito da CESC.

Vice-presidente do colegiado, o deputado Leandro Grass (Rede), por sua vez, propugnou que a discussão comece imediatamente. “Esta Comissão Geral marca a abertura desse processo”, afirmou. Além disso, colocou-se à disposição para debater com as entidades. “Nosso compromisso é com a democracia, dentro e fora da escola”, declarou.

Pela Secretaria de Educação, participou o secretário executivo da pasta, Denilson Bento da Costa. Ele argumentou que a gestão democrática deve ser uma “política de Estado” e, por esse motivo, não pode se restringir à eleição nas escolas. “Há ainda uma confusão, na comunidade escolar, com o PDAF”, disse, referindo-se ao Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (PDFA), que tem à frente os gestores dos estabelecimentos da rede pública.

 

 

 

Marco Túlio Alencar 

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03