Câmara em Pauta Promotoria diz para Dória vetar mudança de nome de ponte para “Romeu Tuma”
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Promotoria diz para Dória vetar mudança de nome de ponte para “Romeu Tuma”

A Promotoria de Direitos Humanos do Ministério Público de São Paulo solicitou ao prefeito de São Paulo, João Dória, que o projeto de lei aprovado em fevereiro na Câmara Municipal que acrescenta o nome do senador Romeu Tuma à Ponte das Bandeiras, na zona norte da capital, seja vetado. O PL 22/2017 foi apresentado pelo vereador Eduardo Tuma (PSDB), sobrinho do político, e encaminhado para sanção ou veto do prefeito em março.

Romeu Tuma foi diretor-geral do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) paulista de 1977 a 1982, quando passou a ser superintendente da Polícia Federal no Estado de São Paulo. Em 1985, tornou-se diretor do órgão. Ele é citado diversas vezes no Relatório da Comissão Nacional da Verdade e é considerado um dos responsáveis pela gestão de estruturas e condução de procedimentos destinados à prática de graves violações de direitos humanos.

A ponte foi inaugurada no aniversário de São Paulo em 1942 e recebeu este nome porque o projeto incluída a ereção de um Monumento aos Bandeirantes, lembrando que o Rio Tietê foi um dos condutores das Bandeiras rumo ao interior do Estado e do país.

O nome Ponte das Bandeiras está ligado à história da cidade de São Paulo e do Estado. Por esses motivos, os promotores de Justiça Eduardo Ferreira Valério e Beatriz Helena Budin Fonseca, área de Direitos Humanos –Inclusão Social-, instauraram na última terça-feira (4/4) um procedimento preparatório de inquérito civil a partir de uma representação encaminhada ao MPSP por meio eletrônico.

No entendimento dos promotores, o projeto de lei viola os princípios da legalidade e moralidade da Administração Pública porque a Ponte das Bandeiras está em processo de tombamento pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) e o nome deve ser preservado como bem imaterial ligado à história de São Paulo.

De acordo com a Promotoria de Direitos Humanos, a alteração afronta o dispositivo na lei municipal nº 14.454/07 e no decreto nº 57.146/2016, já que o homenageado participou dos atos de repressão durante a ditadura militar.

Informações da assessoria do Ministério Público de São Paulo Agência Brasil e Justificando

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03