Câmara em Pauta Em Brasília, estudantes participam da 6ª Marcha Mundial do Clima
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Em Brasília, estudantes participam da 6ª Marcha Mundial do Clima

Estudantes do ensino fundamental e médio de escolas do Distrito Federal participaram da 6ª Marcha Mundial do Clima, em Brasília. Cerca de 50 alunos desceram a Esplanada dos Ministérios carregando faixas com frases pedindo medidas para conter as mudanças climáticas. “Reunidos podemos fazer a diferença”, comenta Emily Torres, 13 anos.

Emily e outros jovens da rede pública do Distrito Federal foram preparados em sala de aula para a marcha. “Essa é uma causa internacional, já há alguns anos tem ocorrido várias conferências mundiais e, infelizmente, os resultados ainda são muito pequenos em relação à necessidade que nós temos de rever as políticas que estão sendo aplicadas”, disse a professora de sociologia Márcia Helena de Araújo Galina.

“Aqui, no Brasil, o que nós estamos observando são períodos de seca muito longos em algumas regiões e quando a chuva vem, ela vem arrastando tudo. Há um desequilíbrio climático. A gente precisa rever o que está acontecendo e o que não foi feito pra poder frear esses acontecimentos que afetam a todos”, completa.

O professor Roberto Ferdinand, um dos responsáveis pela coordenação da marcha, afirma que o principal objetivo da mobilização é lutar pelo equilíbrio do clima. “Essa marcha ela acontece todo ano em 100 países simultaneamente com o objetivo de fazer com que a sociedade tome consciência da emergência que estamos enfrentando. Se não cortarmos 50% da emissão de gases [de efeito estufa] em três anos, a temperatura média vai subir de 4 a 8 graus. As estimativas apontam para a morte de um bilhão de pessoas por grau. Vai ser uma tragédia”, alerta Roberto.

Junto com representantes de organizações da sociedade civil, a coordenação da marcha entregou para a presidência da Câmara dos Deputados e para a Embaixada dos Estados Unidos um manifesto de alerta para o problema do aquecimento global. Entre as medidas propostas no documento estão o aumento da meta brasileira de redução dos gases de efeito estufa, a substituição do modo de produção de energia e o fortalecimento da agroecologia.

Segundo o professor Roberto Ferdinand, a expectativa é que as autoridades se sensibilizem para tomar medidas efetivas de controle da temperatura global. “A ONU [Organização das Nações Unidas] deu até 2020, mais três anos, para a gente cortar 50% das emissões dos gases de efeito estufa do planeta. Há dinheiro e há tecnologia, o que não há é vontade política”, critica o professor.

COP 22

A Marcha Mundial do Clima ocorre na mesma semana da Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP 22), no Marrocos. Desde a última segunda-feira (7), líderes de mais de 190 países estão reunidos para debater medidas e firmar compromissos de redução das emissões de gases do efeito estufa e manter o nível de aquecimento da temperatura global abaixo de 1,5ºC. A meta foi firmada no chamado Acordo de Paris, ocorrido ano passado. Na ocasião, o Brasil firmou o compromisso de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% até 2025.

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03