Câmara em Pauta Chamado de homofóbico, Bolsomaro dá voz de prisão para estudantes da UNB
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Chamado de homofóbico, Bolsomaro dá voz de prisão para estudantes da UNB

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), acostumado a cometer todo tipo de arbitrariedade na Câmara, inclusive ofendendo colegas deputados e deputadas contrários as suas posições reacionárias, usou “covardemente” a polícia legislativa da Câmara Federal para dar voz de prisão a duas mulheres negras estudantes da UNB.

Talita Victor, é assessora da bancada do PSOL na Câmara e membro do diretório nacional do partido, a estudante contou que esteve com outras jovens na noite durante a detenção, a estudante de artes cênicas Meimei Bastos para procurar ajuda de deputados para uma viagem ao Encontro Nacional de Estudantes Negros.

Ela estava acompanhada por uma amiga, identificada como Tainá, e um amigo (que não foi conduzido pelos policiais), quando viu o deputado se aproximar e o chamou de “homofóbico de merda”, segundo Talita, “sem nem olhar na cara dele”.

Acusada de injúria, Meimei foi detida com uma amiga, que também é negra, e que, até o momento da detenção, não havia dito nada ao deputado, como mostram as imagens publicadas na internet. Durante a condução, Tainá diz o “racista” citado pelo filho de Bolsonaro na rede social e, indignada, contesta a prisão: “É anormal! Olha os crimes que eles cometem todo dia, e a gente está indo presa porque falou que ele é homofóbico?! Ele se assume homofóbico”.

De acordo com Talita,  depois de serem ouvidas pela polícia legislativa da Câmara as duas foram liberadas horas depois e ambas irão responder na Justiça por injúria.

Veja os vídeos:

Vídeo gravado por Talita Victor:

Ele grita em alto e bom som que existem mulheres que merecem ser estupradas, de preferência as “bonitas”. A uma outra deputada ele afirma “só não te estupro porque você é feia e não merece”.
Ele diz abertamente que pessoas são LGBT porque não apanharam o suficiente na infância: “Se o menino começar a ficar meio gayzinho e levar um coro, muda o comportamento”.
Ele acha que se torturar e não matar o criminoso piora.
Ele defende uma nova ditadura no Brasil, porque a que tivemos até matou pouco.
Ele insufla multidões afirmando que fazendeiros devem receber índios e sem terra com tiros de fuzil. Em junho, ovacionado no aeroporto de Campo Grande: “podem ter certeza de que a partir de 2019, o cartão de visita do produtor rural pro MTST vai ser um cartucho 762 de fuzil”.
Ele defende na tribuna do Parlamento que o empresário que quer produtividade deve pagar salários inferiores às mulheres porque elas engravidam.
Ele se vangloria de ser o único parlamentar que votou contra todos os direitos trabalhistas da empregada doméstica.
Ele disse a uma menina de 14 anos – porque ela se afirmou feminista – que ela não serviria “nem pra um boquete”.
Ele faz piada que estudantes cotistas são inferiores intelectualmente: “jamais seria operado por um médico cotista ou entraria num avião pilotado por um cotista”.
Ora, Senhor Deputado, até aqui, a imunidade parlamentar por opiniões – palavras – votos o tem protegido. Mas não queira que aceitemos todo esse absurdo caladas. Não é o senhor mesmo que se reivindica defensor da mais ampla e irrestrita liberdade de expressão? Não é o senhor mesmo que diz ser contra privilégios? Onde está sua coerência, Excelência? Reafirmo minha solidariedade a Meimei Bastos e Tainá por todo o constrangimento depois do desabafo. O grito preso na garganta (garganta delas e de tanta gente) acabou saindo quando se viram cara a cara com esse senhor. Homofóbicos, Machistas, Racistas ‪#‎NãoPassarão.

 

 

 

 

Com informações da RedeTVUol

(Visited 2 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03