Câmara em Pauta Depois da denúncia contra Temer, Rosa Weber arquiva explicações sobre “golpe”
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Depois da denúncia contra Temer, Rosa Weber arquiva explicações sobre “golpe”

Pode ser só coincidência, mas depois que o presidente temporário Michel Temer foi denunciado como intermediário de propina na Lava Jato, a relatora do caso que pedia explicação a presidente Dilma Rousseff sobre porque classifica seu afastamento como “golpe”, a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), arquivou o processo.

A interpelação judicial criminal foi ajuizada, no começo de maio, por deputados federais que questionavam o argumento que Dilma usa em discursos de que o processo de impedimento constituiria um suposto “golpe de estado”.

A petição foi assinada pelos deputados Julio Luiz Baptista Lopes (PP), Carlos Henrique Focesi Sampaio (PSDB-SP), Pauderney Tomaz Avelino (DEM), Rubens Bueno (PPS-PR), Antonio José Imbassahy da Silva (PSDB-BA) e Paulo Pereira da Silva (SD-SP).

Os deputados queriam saber:

1) A Interpelada ratifica as afirmações – proferidas em distintos eventos – de que há um golpe em curso no Brasil?

2) Quais atos compõem o golpe denunciado pela Interpelada?

3) Quem são os responsáveis pelo citado golpe?

4) Que instituições atentam contra seu mandato, de modo a realizar um golpe de estado?

5) É parte desse golpe a aprovação, pelo Plenário da Câmara dos Deputados, da instauração de processo contra a Interpelada, por crime de responsabilidade, nos termos do parecer da Comissão Especial à Denúncia por Crime de Responsabilidade 1/2015, dos Srs. Hélio Pereira Bicudo, Miguel Reale Junior e Janaina Conceição Paschoal?

6) Se estamos na iminência de um golpe, quais as medidas que a Interpelada, na condição de Chefe de Governo e Chefe de Estado, pretende tomar para resguardar a República?

A defesa

Em resposta, a defesa de Dilma afirmou que o processo de impeachment seria um golpe porque as condutas que são imputadas como crimes de responsabilidade não são atos ilícitos que atentam contra a Constituição.

Além disso, o advogado José Eduardo Cardozo, que defende a presidente, afirma que a ofensa à Constituição, que seria demonstrada pela opinião de juristas, economistas e técnicos em contabilidade pública, revela que a se consumar o impeachment de uma Presidenta eleita por 54 milhões de brasileiros, sem uma “verdadeira” justa causa para tanto, representa uma ruptura institucional e democrática.

“E o nome que se dá a uma ruptura institucional e democrática como está, na ciência política, é ‘golpe de Estado’”, afirmou.

 

Com informações do Jota

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03