Responsive Ad Slot

TITULO DA CAMPANHA

Distritais repudiam questionamentos da AGU à decisão do STF que criminaliza homofobia

Postado por Simone de Moraes

16/10/2020 18:56



O governo de ultra-direita, transfobico, racista e anti-povo do presidente Jair Bolsonaro, tem influenciado sobremaneira as politicas dos órgãos públicos em todo país, e em especial em Brasília, sede do Governo Federal. É lamentável tanto atraso e retrocesso.

Em razão disso, os deputados distritais Fábio Félix (Psol) e Agaciel Maia (PL) repudiaram o pedido de esclarecimento feito pela Advocacia Geral da União (AGU) ao Supremo Tribunal Federal sobre o alcance do julgamento que enquadrou atos de homofobia e transfobia como crimes de racismo. Para Félix, “não foi um pedido de esclarecimento”, mas “uma manifestação política de extrema direita”.

Ele também denunciou o “aparelhamento” do órgão e afirmou que a manifestação impacta as políticas públicas de todo o país. “É muito lamentável que o Governo Federal utilize uma instituição de Estado, que é a sua ‘procuradoria’, para fazer uma correlação com o Distrito Federal, para esvaziar uma lei tão valiosa, que protege vidas e combate a violência” – ressaltou.

O distrital destacou a importância do entendimento do STF, argumentando que o Brasil é um dos países que mais matam LGBTs e o que mais assassina transsexuais no mundo. “A decisão foi muito transparente, taxativa e unânime do STF, dizendo que é crime a discriminação e o preconceito por conta da orientação sexual ou identidade de gênero” – frisou. Fábio Félix afirmou ainda que os transsexuais e LGBTs irão ocupar cada vez mais os “espaços de poder” e que não vão aceitar nenhum “retrocesso dos direitos e da cidadania”.

Agaciel Maia parabenizou o colega pela fala e defendeu uma política de conscientização por mais respeito e valorização dos LGBTs. Para ele, os preconceitos “que alguns idiotas praticam que ninguém sabe qual é a racionalidade que existe nisso” é fruto de “uma ignorância total, de um país ainda de cultura praticamente feudal”.

 

Com informações da CLDF

(Visited 1 times, 1 visits today)