Responsive Ad Slot

TITULO DA CAMPANHA

Promotoria de Sevilha pede 8 anos de prisão para militar da comitiva de Bolsonaro flagrado com cocaína

Postado por Simone de Moraes

28/09/2019 23:12


Crédito:


O Ministério Público de Sevilha pediu oito anos de prisão para Manoel Silva Rodrigues , o sargento do exército detido por agentes da Guarda Civil em 25 de junho no aeroporto de Sevilha, na Espanha, com 37 quilos de cocaína escondidos em sua bagagem.

O sargento fazia parte do Grupo de Transporte Especial da Força Aérea Brasileira (FAB) e foi preso na tarde no dia 25 de junho, após aterrissar no aeroporto de Sevilha durante uma escala.

Ele integrava a tripulação reserva do presidente Jair Bolsonaro , composto por 21 pessoas e que acompanhava o presidente em uma viagem oficial ao Japão.

Silva Rodrígues estava voando no avião reserva que fez pouso no aeroporto de San Pablo, enquanto o avião presidencial, ao saber do ocorrido, fez desvio pousando no aeroporto de Portugal. Ele estava no controle de passageiros, quando dois agentes da Guarda Civil detectaram a droga na bagagem do militar, que foi preso por crime contra a saúde pública e enviado para prisão provisória.

A Guarda Civil interveio a droga na bagagem dos militar brasileiro : em uma mala com uniforme e uma mochila com equipamento, ele trazia 37 blocos retangulares de “uma substância que causa sérios danos à saúde, pesando 37.000 gramas “, de acordo com o briefing provisório de qualificação do promotor de drogas de Sevilha.

O valor da cocaína chega a 1,4 milhões de euros no mercado da Europa

A substância com pureza básica de 80%, “deveria ser vendida a terceiros”. O valor da droga apreendida pelos agentes da Guarda Civil chegou a mais de 1,4 milhão de euros.

O Ministério Público de Sevilha, por esses fatos, acusa o sargento de um crime contra a saúde pública e, portanto, pede uma sentença de oito anos de prisão e uma multa de quatro milhões de euros .

A prisão ocorreu em junho passado e em menos de quatro meses a instrução foi encerrada pelo Tribunal de Instrução número onze de Sevilha , diante de cuja cabeça ele se recusou a testemunhar quando ficou disponível. As investigações da Guarda Civil para saber o destino final da droga ou se o sargento teve colaboração com a equipe de Bolsonaro não deram resultado.

Quando surgiram as notícias da prisão do sargento, que ainda está preso provisoriamente e será julgado nos próximos meses na Audiência de Sevilha , o presidente Bolsonaro detalhou nas redes sociais que ele havia ordenado oferecer toda a colaboração à polícia espanhola e que, caso seu envolvimento no narcotráfico fosse confirmado, ele esperava que o sargento fosse condenado conforme estabelecido por lei. Também defendeu a integridade dos 300.000 membros das Forças Armadas brasileiras.

Reportagem do Fantástico contou os últimos desdobramentos do caso:

Clique Aqui

Transcrito do site ABC de Sevilla

(Visited 1 times, 1 visits today)