Responsive Ad Slot

Passageiro relata os momentos de tensão em avião incendiado no aeroporto de Brasília

Postado por

16/02/2016 14:49


Crédito: Arquivo pessoal/Paulo Marchetti

Poucas pessoas podem comemorar o fato de terem saído com vida de um avião incendiado para contar, em detalhes, o que acontece nesse ambiente onde, em meio a passageiros desesperados, comissários de bordo e pilotos tentam ter o controle da situação. Passageiro do Voo 1415, da Gol Linhas Aéreas – aeronave que teve a turbina incendiada nesse domingo (14) quando ainda fazia o taxiamento no Aeroporto de Brasília – o músico e diretor de vídeo Paulo Marchetti diz que a frase que sempre ouviu de um amigo nunca fez tanto sentido: “o melhor da vida é viver”.

Às 15h03, Marchetti enviou uma mensagem à irmã, que o aguardava em São Paulo. “Já estou no avião”. Seis minutos depois, às 15h09, uma nova mensagem, em tom bem mais tenso: “Pânico. Agora, controlado. Tava dando ré e alguma coisa pegou fogo”. Às 15h10, mais mensagens. “Não sabemos o que vai acontecer ainda. Cheiro de queimado no avião”.

Segundo o músico, foram necessários “mais dez ou, no máximo, 12 minutos” para que os passageiros fossem retirados da aeronave. “É tempo demais para quem viu as chamas na turbina e sabe que as asas dos aviões estão cheias de combustível”, disse.

print_screen_aviao.jpg

Mensagens de celular trocadas por Paulo Marchetti com a irmã durante incêndio no Voo 1415 da Gol

Arquivo pessoal/Paulo Marchetti

Renascimentos
A experiência permitiu ao músico, que foi diretor da MTV Brasil entre 1993 e 2000, observar o que acontece em uma situação extrema onde muitos dos 145 passageiros do voo chegaram a acreditar estar em seus últimos momentos de vida. Ao mesmo tempo, viu como a tripulação se comporta em meio à tensão, ao nervosismo e à responsabilidade pelo controle da situação.

“Eu estava tranquilo, lendo a revista de bordo. As portas do avião já haviam sido fechadas e ele estava se deslocando para trás, taxiando. O piloto inclusive já tinha dito que a aeronave estava autorizada para fazer a decolagem. Andamos poucos metros; [durante] cerca de três segundos, quando o primeiro alerta foi dado por uma menina ruiva estrangeira que estava duas cadeiras à minha frente”, disse.

O músico estava no assento 27, retornando a São Paulo após lançar o disco de sua banda, chamada Filhos de Mengeli – banda de rock brasiliense dos anos 80 que está voltando à ativa após ter dado origem a um outro grupo bem mais famoso: os Raimundos. “Estou passando por uma sensação dupla de renascimento”, brinca, já recuperado do susto.

Gritos
O incêndio, segundo Marchetti, começou quando a aeronave estava dando ré. “De repente a ruiva e algumas pessoas disseram ter sentido um grande calor vindo de fora da aeronave e se afastaram da poltrona. O cheiro de queimado ficou bem forte. Olhei pela janela e vi a chama surgindo pertinho de onde estávamos. Como o avião é vedado, ninguém viu de imediato as chamas”.

No momento em que as chamas atingiram a altura da janela e ficou mais visível, o desespero foi geral. “Minha impressão foi de que o fogo começou devagar e, de repente, aumentou. Quando apareceu do lado de fora da janela, todos se assustaram e bateu o maior desespero. Todos que estavam do lado direito começaram a gritar e a correr em direção ao corredor. Deu até para perceber que a maioria dos gritos eram femininos e que não havia palavra de ordem. Apenas frases sem sentido e gritos”.

A primeira voz em que se ouvia alguém pedindo que as pessoas se acalmassem veio de um passageiro. “A gente então notou que, ao atingir a janela, o fogo começou a ser controlado, provavelmente pela equipe de terra. Isso foi bem rápido. Deve ter durado cerca de cinco segundos, após ter atingido seu ápice”.

Controle da situação
Com a diminuição das chamas, mais pessoas começaram a reforçar os pedidos por calma. “Foi nesse momento que o comissário, de uma forma bastante nervosa, pediu a todos que se sentassem. O jeito dele falar parecia com o de um policial dando uma ordem. Sem ainda dizer se a situação estava sob controle, ele adotou uma estratégia que me parecia adequada para aquela situação: fez uso de um tom bastante agressivo, mas no sentido de ser assertivo, na busca pelo controle da situação”.

Os passageiros só foram informados de que a situação do lado de fora já estava sob controle quando o piloto se pronunciou pelo alto-falante, cerca de quatro minutos após os primeiros gritos. “Mas os passageiros nem esperaram ele terminar de falar para dizer que queriam sair do avião”, lembra Marchetti.

Segundo o músico, o procedimento de abertura da aeronave foi lento e, por sorte, ninguém pareceu ter se machucado. Ele criticou o fato de, em meio de toda aquela tensão e risco, as saídas de emergências do lado esquerdo, opostas ao incêndio, não terem sido abertas. “Demorou uns dez minutos entre percebemos o incêndio e sairmos da aeronave. Tive essa noção após checar as mensagens que enviei a minha irmã”, disse ele.

Falha técnica
Por meio de nota, a Gol informou que, durante a partida do motor da aeronave “foi identificada falha técnica no escapamento da turbina direita, danificando apenas externamente a fuselagem da aeronave próxima ao motor”. Segundo a empresa, a aeronave estava em processo de reboque para a pista, mas não chegou a iniciar o procedimento de decolagem, e que os 145 passageiros a bordo foram desembarcados “normalmente e em segurança para serem reacomodados em outros voos”.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) informou já ter sido notificado da ocorrência e que está definindo os procedimentos e as medidas a serem adotados para investigar o caso.

 

 

Agência Brasil