Câmara em Pauta No "Julho Amarelo" testes rápidos vão identificar hepatites virais
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

No “Julho Amarelo” testes rápidos vão identificar hepatites virais

Elas provocam mais óbitos que o HIV (vírus transmissor da Aids), atingem centenas de milhares de pessoas no Brasil, mas não adquiriram o mesmo nível de conscientização na sociedade do que outras doenças mais conhecidas e menos letais. São as hepatites virais que serão alvo de uma série de ações de saúde, promovidas, a partir desta quinta-feira (28), Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais.

A campanha conhecida como “Julho Amarelo”, promovida pela SES/DF, Sociedade Brasileira de Infectologia e a ONG Candangos da Paz, pretende realizar em torno de 4.000 testes para os tipos B e C da doença em vários locais do Distrito Federal.
As atividades, desenvolvidas por cerca de 30 profissionais de saúde incluem, além da realização dos testes rápidos, a divulgação de informações sobre a prevenção e tratamento das hepatites virais e, em caso de resultado positivo, o aconselhamento e encaminhamento para tratamento nos centros de referência da rede pública de saúde do DF. “A hepatite C tem tratamento rápido e eficaz, totalmente disponibilizado pelo SUS, com índice de cura em torno de 90%, alcançado em 12 semanas”, informa o médico infectologista da SES/DF e diretor científico da Sociedade Brasileira de Infectologia/DF, José David Urbaez.
Ele ressalta o caráter silencioso das hepatites virais que, por serem assintomáticas por muitos anos, uma vez não identificadas levam a quadros graves quando se manifestam, de difícil tratamento. “Quando o indivíduo descobre a doença com a eclosão dos sintomas pode ser tarde, por isso a importância da identificação precoce do vírus no organismo, em tempo de promover um tratamento bem-sucedido e prevenir futuros danos”, alerta.
No caso da hepatite B, 90% dos casos em adultos são transmitidos em relações sexuais. No entanto, mesmo que a vacina hoje esteja disponível na rede pública de saúde, David Urbaez relata uma certa displicência do principal público-alvo na prevenção da doença – o segmento integrado entre adolescentes e jovens adultos. “Como a vacina é administrada em 3 doses em datas diferentes, esse grupo acaba por negligenciar em relação à sequência das aplicações, tornando sem efeito o processo de imunização. Por isso, é importante que essas informações cheguem ao público e aumentem o nível de consciência sobre o problema”.
Sem tratamento, 85% dos portadores do vírus da hepatite C se tornam doentes crônicos. Já no caso da hepatite B, cerca de 95% dos infectados evoluem para a cura espontânea, “tendo ou não os sintomas da doença”, no entanto, os 5% restantes são atingidos por graves problemas de saúde, sem cura. “Nesses casos, como acontece com o HIV, o tratamento é feito exclusivamente para evitar a replicação do vírus no organismo pois, uma vez suspensa a medicação, ele se multiplica novamente, sendo sempre a prevenção o melhor caminho”, indica Urbaez.
De acordo com enquete nacional por amostragem, realizada em 2005, estima-se que 1% da população brasileira seja portadora do vírus da hepatite C. No Distrito Federal, com base nessa mesma perspectiva, seriam cerca de 25 a 30 mil pessoas, com menos de duas mil já identificadas. “É muito importante que a população e os próprios profissionais de saúde conheçam esses números e passem a solicitar os testes em exames de rotina, essa simples medida é capaz de evitar sérios danos à saúde em fases posteriores”, previne o infectologista.
QUADRO DAS HEPATITES – O Ministério da Saúde alerta que as hepatites podem ser causadas por vírus, uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. A pessoa infectada pode apresentar cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras. Porém, a doença é silenciosa e nem sempre apresenta sintomas.
No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E. Os danos mais graves podem ser cirrose e câncer.
Confira abaixo quais são as formas de contágio:
– Fecal-oral: condições precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos (vírus A e E);
– Transmissão sanguínea: praticou sexo desprotegido, compartilhou seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos que furam ou cortam (vírus B,C e D);
– Transmissão sanguínea: da mãe para o filho durante a gravidez, o parto e a amamentação (vírus B,C e D)
PROGRAMAÇÃO
Serviço ‘Julho Amarelo’ – BRASÍLIA – DF
 • 27de julho
Teste rápido para Hepatite B e C e divulgação da luta contra as hepatites virais.
Local: Feira dos Importados
Horário: 13 às 18 horas
• 28 de julho
Teste rápido para Hepatite B e C e divulgação da luta contra as hepatites virais.
Horário: 8h às 13h.
Local: Planaltina do DF
• 29 e 30 de julho
Teste rápido para Hepatite B e C e divulgação da luta contra as hepatites virais.
Horário: Das 10 às 18 horas
Local: Granja do Torto-Brasília – Moto Capital (2ª maior encontro de moto clubes da América Latina)
(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03