Câmara em Pauta Dilma ganha na Justiça direito de resposta por capa misógina da revista IstoÉ
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Dilma ganha na Justiça direito de resposta por capa misógina da revista IstoÉ

A presidente Dilma Rousseff (PT) ganhou direito de resposta na Justiça Cível de Brasília, com ação movida pela Advocacia-Geral da União (AGU), contra a revista IstoÉ, publicação da Editora Três das Organizações Globo.

No dia 1º de abril deste ano, a publicação deu capa para a reportagem “Uma presidente fora de si”, assinada por Débora Bergamasco e Sérgio Pardellas. Na matéria, os jornalistas relatavam que, antes da votação do impeachment na Câmara Federal, Dilma teria estado “descontrolada”, “gritava” com todos e “perdia o controle” frequentemente.

“A ‘reportagem’ de capa desta revista me ofende, sem dúvida, por me atribuir comportamento que não condiz com minha atitude pessoal e meu temperamento. Insulta a figura institucional da Presidência da República. Estende a agressão a todas as mulheres brasileiras, guerreiras que, no seu dia a dia, enfrentam duras batalhas, muitas vezes em jornadas de trabalho duplicadas pela necessidade de cuidar da família e dos filhos, em busca de sua autonomia e de seu justo espaço na sociedade”, rebateu a presidente.

A revista ainda publicou, na mesma edição, o editorial “Hora da xepa no Planalto”, em que consta que a presidente teria transformado o Planalto “numa casa de tolerância”, e que “a mandatária já havia transferido informalmente suas funções ao padrinho investigado Lula”.

Responsável pelo caso, a juíza Tatiana Dias da Silva, da 18ª Vara Cível de Brasília, reconheceu o erro da publicação. “O direito de resposta é garantido constitucionalmente no art. 5º, V: ‘é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem’”, decidiu.

Na sentença, magistrada destaca que embora o alvo de IstoÉ seja a presidente da República, isso “não autoriza qualquer meio de comunicação a divulgar deliberadamente quaisquer informações se escondendo sob o manto do direito de informação, uma vez que tal direito tem que ser guiado pela veracidade do conteúdo publicado”.

Com a condenação, IstoÉ terá de conceder o mesmo destaque, espaço, diagramação e publicidade, conforme o dispositivo da Lei 13.188/15.

À época, usuários acusaram a revista de machismo e misoginia por considerarem que, se uma mulher fica nervosa, ela é “descontrolada”; se um homem sente o mesmo, é “imponente”.

Vem mais

Os advogados da presidente pretendem mover outras ações contra a revista IstoÉ por novas publicações consideradas ofensivas contra a honra de Dilma e da família Rousseff, que foram alvo de duas outras reportagens publicadas em julho sobre supostas mordomias.

Segundo a revista, a família de Dilma Rousseff teria recebido ilegalmente segurança e carros, no que consistira um abuso. Na realidade, o dispositivo de segurança extensivo à família da presidente e do vice-presidente da República é uma exigência da lei.

Por conta dessas duas últimas reportagens, IstoÉ será processada cível e criminalmente por ofensa, infâmia e calúnia, infâmia, ofensa e calúnia.

Dilma comemorou a decisão no Facebook, veja o post abaixo:

A revista IstoÉ ainda não se pronunciou sobre a condenação. (As informações são da equipe da presidente Dilma Rousseff e do jornal Opção)

 

 

 

 

 

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03