Câmara em Pauta Cardozo determina que PF apure vazamento do sigilo telefônico de executivo da OAS
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Cardozo determina que PF apure vazamento do sigilo telefônico de executivo da OAS

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou hoje (7) à Polícia Federal que investigue o vazamento da quebra do sigilo telefônico do ex-presidente da Construtora OAS, José Adelmário Pinheiro Filho, mais conhecido como Léo Pinheiro.

As informações sobre a troca de mensagens entre Léo Pinheiro e membros do governo federal foram divulgadas pela imprensa nesta quinta-feira. De acordo com as reportagens, o empreiteiro negociou com ministros da presidenta Dilma Rousseff apoio financeiro à campanha de reeleição presidencial, em 2014, e para a prefeitura de Salvador, em 2012.

De acordo com nota divulgada pelo Ministério da Justiça, Cardozo solicitou a abertura “imediata” de inquérito policial para investigar a divulgação de mensagens do empresário, “que, em princípio, estão protegidas por sigilo legal”.

Segundo o ministério, a investigação se refere a mensagens de texto trocadas pelo empresário entre agosto de 2012 e outubro de 2014, publicadas no jornal Estado de S. Paulo.

Conforme a reportagem, o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, recebeu pedidos para intermediar interesses de Léo Pinheiro junto ao ministério dos Transportes.

Wagner se diz “absolutamente tranquilo”

O ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, disse que está “absolutamente tranquilo” sobre a troca de mensagens com um empreiteiro da OAS envolvido na Operação Lava Jato. As conversas foram citadas em reportagem do jornal O Estado de São Paulo, publicada nesta quinta-feira.

Segundo a reportagem, quando era governador da Bahia, o atual chefe da Casa Civil trocou mensagens de telefone com o ex-presidente da empreiteira OAS José Adelmário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, um dos condenados no esquema de corrupção da Petrobras.

Nos diálogos, Wagner o executivo da empreiteira negociam apoio financeiro para a campanha do PT à prefeitura de Salvador, em 2012.  Nas mensagens, o então governador também recebeu pedidos para intermediar interesses do empresário junto ao Ministério dos Transportes.

“Em relação à matéria publicada pelo jornal O Estado de São Paulo, nesta quinta-feira (07), afirmo estar absolutamente tranquilo quanto a minha atividade política institucional, exclusivamente baseada na defesa dos interesses do estado da Bahia e do Brasil”, respondeu o ministro, por meio de nota e de sua conta no Twitter.

Wagner, que foi governador da Bahia por dois mandatos, afirma estar à disposição do Ministério Público e demais órgãos para “quaisquer esclarecimentos”. No texto, o ministro critica e diz repudiar a “reiterada prática de vazamentos” de informações consideradas por ele “preliminares e inconsistentes”. Segundo ele, esse tipo de vazamento não contribui para “andamento das apurações e do devido processo legal”.

 

Agência Brasil

(Visited 1 times, 1 visits today)
Share on facebook
Compartilhar
Share on twitter
Tweetar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Chave PIX:

13.219.847/0001-03

Nos apoie:

Chave PIX:

13.219.847/0001-03