Responsive Ad Slot

TITULO DA CAMPANHA

Lamoglia renunciou para atrasar a prisão do Arruda

Postado por Simone de Moraes

11/08/2015 14:17



POR RENATO RIELLA* – Muitos tentam explicar porque Domingos Lamoglia renunciou ao cargo de conselheiro do Tribunal de Contas do DF, onde recebia cerca de R$ 30 mil por mês sem trabalhar, desde 2009.

Resposta: antes de tudo, para retardar a prisão do ex-governador José Roberto Arruda, de quem é escravo há décadas. E para retardar a própria prisão.

Como conselheiro do TCDF, Domingos tinha o famigerado foro especial. Por isso, seu processo de corrupção estava correndo no Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde quase não andou.

Enquanto isso, o processo da Caixa de Pandora, complicando a vida de Arruda e muitos outros, tem andado bem no Tribunal de Justiça do DF.

Agora, renunciado, Domingos terá seu processo interrompido no STJ e devolvido para o TJDF.

Logo, os advogados do famigerado Arruda vão pedir que Domingos Lamoglia seja incorporado ao processo da Caixa de Pandora, gerando procedimentos que podem atrasar o julgamento de todos durante anos e anos.

É claro que, ao renunciar, Domingos passa a perder o salário de R$ 30 mil e o TCDF fica com uma vaga aberta para nomear outro conselheiro.

Nesses cinco anos, as votações no Tribunal de Contas ficaram prejudicadas, pela falta de um membro, que ganhava sem trabalhar.

Domingos, no entanto, já tem uma aposentadoria como engenheiro da CEB, em valor bastante razoável. Mas deve se preocupar porque, em primeira instância, o juiz do DF Álvaro Ciarlini já condenou ele a devolver, com correção monetária, toda a grana que ganhou como conselheiro afastado, que já deve ultrapassar os R$ 4 milhões.

Isto é: Domingos Lamoglia pode até demorar para ser preso, mas antes disso terá de restituir ao DF os salários de conselheiro do Tribunal de Contas – uma pequena fortuna.

De tudo isso, fica mais uma vez a constatação de que o foro privilegiado é usado por servidores desonestos para driblar a Justiça e protelar julgamentos. Trata-se de uma situação vergonhosa.

*Renato Riella é jornalista, com mais de 40 anos de atuação em Brasília e Salvador (BA), onde nasceu.

-Transcrito do Blog do Riella 

(Visited 1 times, 1 visits today)