Responsive Ad Slot

TITULO DA CAMPANHA

Presidente da Argentina vai receber Dilma, Haddad e Mujica em encontro da esquerda

Postado por Simone de Moraes

3/11/2019 3:49


Crédito:


O presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, será o anfitrião do segundo encontro do Grupo de Puebla , uma reunião de líderes e representantes de agrupamentos e partidos de esquerda, nos próximos dias 8, 9 e 10 de novembro, em Buenos Aires.

Estão na lista de convidados dos ex-mandatários José Luis Rodríguez Zapatero (Espanha), José “Pepe” Mujica (Uruguai), Dilma Rousseff (Brasil), Ernesto Samper (Colômbia), Rafael Correa (Equador) e Fernando Lugo (Paraguai).

Entre outras lideranças, estão Cuauhtemóc Cárdenas, fundador do mais tradicional partido de esquerda do México (o PRD) e filho do célebre Lázaro Cárdenas (1895-1970), Álvaro García Linera, vice-presidente da Bolívia, Fernando Haddad , ex-presidente de São Paulo, e o chileno Marco Enríquez-Ominami, ex-candidato a presidente e um dos fundadores do Grupo de Puebla.

O primeiro encontro dessa nova aliança foi realizado em julho passado, na cidade de Puebla, no México, com a intenção de “abrir um espaço de reflexão e de debate político na América Latina”, segundo seu documento de fundação, que ainda fala em formulários uma proposta progressista para “conter o avanço da direita conservadora”.

De acordo com Enríquez-Ominami, um dos fundadores do grupo, o segundo encontro debaterá “um novo projeto comum” com relação a como tratar uma crise venezuelana , de uma forma alternativa ao modo como o Grupo de Lima (reunião de 14 países das Américas para discutir uma crise no país caribenho ) vem atuando.

Uma equipe de transição argentina confirmou que o país deve adotar uma atitude diferente após a posse de Fernández, em 10 de dezembro. Será mais pró-diálogo e anti-sanções e não reconhecerá o líder opositor Juan Guaidó, como presidente envolvido no país.

Em setembro, o Grupo de Puebla lançou um comunicado que pedia a “rejeição de qualquer tentativa de uso da força que rompa ou o princípio da solução pacífica das controvérsias e que possibilita uma intervenção militar na Venezuela por parte de forças estrangeiras, incluídas ou ativadas pelo Tiar (Tratado Interamericano de Assistência Recíproca), um instrumento arcaico para armas militares nos países da América Latina durante uma Guerra Fria “.

Enríquez-Ominami diz que o grupo tem a intenção de “fazer com que respeite a soberania popular e a autodeterminação dos povos”. Nesse sentido, o chileno afirma que o encontro em Buenos Aires ocorre um bom momento porque pode discutir os distúrbios e as recentes notícias na América Latina.

Com informações da Folha de São Paulo

(Visited 1 times, 1 visits today)