Responsive Ad Slot

TITULO DA CAMPANHA

Caetano Scannavino denuncia: “Entraram com metralhadora, sem decisão judicial”

Postado por Simone de Moraes

26/11/2019 19:57


Crédito:


Ambientalistas se manifestaram sobre a operação Fogo do Sairé, que investiga a origem dos incêndios que atingiram a região de Alter do Chão, em setembro deste ano. A polícia civil do Pará prendeu quatro brigadistas da Brigada de Alter e apreendeu computadores e documentos da ONG Saúde e Alegria. “Nessa manhã a polícia civil chegou de forma truculenta, armada com metralhadora no nosso escritório, sem a gente saber porque, sem a gente saber qual a acusação e sem decisão judicial. Com o mandato de apreensão sem definir o que, para que”, declarou o coordenador do projeto Saúde e Alegria, Caetano Scannavino. “Levaram tudo, naquele ambiente de medo, naquele ambiente de apreensão”, relatou.
A ONG Saúde e Alegria afirma não saber qual é a acusação contra ela.”Eu queria deixar claro que a gente desconhece, não sabemos até agora porque a gente está sendo acusado. Porque foram no nosso escritório sem decisão judicial, com um mandato genérico para apreender tudo. Do que que a gente está sendo acusado?”, desabafou.
Caetano também comentou sobre os brigadistas presos.”Eu conheço pessoalmente os brigadistas, são pessoas de confiança, de boa índole, pessoas que se voluntariam para ajudar o estado a combater os incêndios”, disse. “O Saúde e Alegria há 20 anos, sempre no mês de agosto e setembro, promove campanha de prevenção de fogo, promove a formação de novos brigadistas”, afirmou Caetano que também declarou que continuará apoiando o trabalho dos combatentes de fogo.

Segundo nota oficial da polícia civil do Pará, os brigadistas teriam colocado fogo na floresta para produzir vídeos e vender para ONGs, como a WWF-Brasil. A polícia afirma que a instituição comprou as imagens para conseguir patrocínio internacional para combater os incêndios. Em resposta a ONG afirmou que “não adquiriu nenhuma foto ou imagem da Brigada” e que, ao contrário do que aponta a investigação, ela atua viabilizando “financeiramente a compra dos equipamentos para o combate ao fogo, dentre os quais abafadores, sopradores, coturnos e máscaras de proteção”.

Indígenas da região de Alter do Chão também se manifestaram em solidariedade aos brigadistas presos. “A brigada de Alter sempre atuou em defesa do nosso território, conhecemos a seriedade do trabalho e honestidade dos nossos brigadistas. Entendemos que estas acusações fazem parte de uma estratégia para desmoralizar e criminalizar as ONGs e movimentos sociais de forma caluniosa, áudios fragmentados, circulados fora do contexto, replicam um método já conhecido de influenciar a opinião pública, na tentativa de tornar fato acusações que ainda não foram comprovadas”, afirmou em nota a associação Iwipuragã do povo Borari de Alter do Chão.

O deputado Nilto Tatto (PT-SP) afirmou que a operação aconteceu para dar base ao discurso do governo que vem tentando criminalizar as ONGs. “Está se produzindo algo para poder dar base a esse discurso mentiroso”, disse o deputado. “A gente se cala quando se criminaliza um movimento popular, se cala quando se criminaliza uma ONG, se cala quando se criminaliza os terreiros. Na hora que isto chegar nas igrejas, na hora que isto chegar nas redações, não vai ter mais tempo para poder se calar”, disse antes de concluir afirmando que a Frente Parlamentar Ambientalista acompanhará este caso de perto.
O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Helder Salomão (PT-ES), também declarou que a operação desta terça é uma tentativa de criminalizar o trabalho desenvolvido pelas ONGs. “Começou a se tornar frequente a tentativa de se criminalizar aqueles que lutam por justiça, em defesa meio ambiente, em defesa dos direitos humanos, em defesa da democracia e da cidadania”, disse.
Veja a nota do WWF-Brasil na íntegra

Sobre a prisão de integrantes da Brigada de Alter do Chão o WWF-Brasil informa:

O WWF-Brasil é uma organização da sociedade civil brasileira com mais de 20 anos de atuação
no país. Uma de suas frentes de trabalho é o combate ao desmatamento da Amazônia e, neste
ano, a instituição reforçou sua atuação por ocasião do aumento escandaloso das queimadas na
região.

O Plano de Emergência para Combate de Incêndios envolve ao menos 15 instituições –
governamentais, como o Imasul (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), e
instituições da sociedade civil, caso da Brigada Alter do Chão.

O WWF-Brasil possui contrato de Parceria Técnico-Financeira com o Instituto Aquífero Alter do
Chão para a viabilização da compra de equipamentos para as atividades de combate a
incêndios florestais pela Brigada de Alter do Chão, em Santarém/PA, no valor de R$ 70.654,36.
Nesta modalidade de Parceria, o WWF-Brasil viabiliza financeiramente a compra dos
equipamentos para o combate ao fogo, dentre os quais abafadores, sopradores, coturnos e
máscaras de proteção.

Tendo em vista a natureza emergencial das queimadas, o repasse foi realizado integralmente e,
neste momento, a instituição está na fase de implementação de atividades e prestação de
contas, com a comprovação da realização do que foi acordado. A seleção desta instituição se
baseou nas boas referências recebidas de parceiros nossos e da ampla divulgação dos trabalhos
prestados pelo grupo.

Importante salientar que o WWF-Brasil não adquiriu nenhuma foto ou imagem da Brigada, nem
recebeu doação do ator Leonardo DiCaprio. Tais informações que estão circulando são
inverídicas.

O WWF-Brasil está acompanhando desde o começo o desenrolar da operação e está em busca
de informações mais precisas das acusações.

Nota da associação Iwipuragã do povo Borari de Alter do Chão na íntegra

Vimos através deste manifestar nosso apoio aos companheiros da brigada de Alter do Chão que foram presos, acusados indevidamente de terem causado o fogo em nossas florestas. A brigada de Alter sempre atuou em defesa do nosso território, conhecemos a seriedade do trabalho e honestidade dos nossos brigadistas. Entendemos que estas acusações fazem parte de uma estratégia para desmoralizar e criminalizar as ONGs e movimentos sociais de forma caluniosa, áudios fragmentados, circulados fora do contexto, replicam um método já conhecido de influenciar a opinião pública, na tentativa de tornar fato acusações que ainda não foram comprovadas. Mas vamos aos fatos reais, nosso território vem sofrendo enorme pressão de especulação imobiliária que atropela os direitos dos povos originários e os planos de sustentabilidade para região, as ONGs e os movimentos sociais bem como moradores locais com formação técnica vem somando forças, na resistência. E neste momento são vítimas de uma grande armação.

O povo Borari reforça o apoio e a crença na inocência da Brigada de Alter, e seguimos confiantes de que o caso seja esclarecido o quanto antes e a inocência dos brigadistas confirmada.

O povo Borari de Alter do Chão

Fonte: Congresso em Foco

(Visited 1 times, 1 visits today)