Responsive Ad Slot

TCU sugere bloqueio de bens de Dilma, Palocci e Gabrielli por compra de Pasadena

Postado por Adairton Sousa

11/10/2017 15:36


Crédito: reprodução

O Tribunal de Contas da União (TCU) sugeriu o bloqueio nesta quarta-feira (11/10), dos bens da ex-presidente Dilma Rousseff, por conta de participação na aquisição da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), pela Petrobras. A sugestão do bloqueio foi aprovado e tem validade de um ano.

A informação de que Dilma sofreria punição com o bloqueio de seus bens foi revelada pela Coluna do Estadão em 31 de agosto. A sugestão de bloqueio de bens também atinge os ex-membros do conselho Antonio Palocci, José Sergio Gabrielli, Claudio Luis da Silva Haddad, Fabio Colletti Barbosa e Gleuber Vieira. Cabe recurso da decisão do tribunal.

Segundo o site de noticias UOL, a decisão atinge a diretoria colegiada da petroleira que, em 2006, que aprovou a aquisição da refinaria americana. O tribunal informou que, a compra de Pasadena acarretou em prejuízo de US$ 580 milhões à estatal, “em razão desses gestores terem adotado critérios antieconômicos para definir o preço da refinaria.

O bloqueio de bens ocorre após o tribunal receber e analisar as argumentações e defesas de cada um dos membros do conselho. Durante este processo, o TCU tomou conhecimento de informações contidas em um Relatório da Comissão Interna de Apuração (CIA) e Relatório de Auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU).

A decisão afirma que “todos aqueles que participaram da valoração da refinaria de Pasadena no momento de aquisição dos 50% iniciais devem ser responsabilizados pelo débito total, pois o próprio contrato se valia daqueles valores para calcular o preço das ações remanescentes”.

NOTA DA ASSESSORIA DA PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF SOBRE A DECISÃO DO TCU EM TORNO DE PASADENA

Em relação ao julgamento de Pasadena pelo TCU a assessoria de imprensa da Presidenta Dilma esclarece:

1. Não há prova alguma de qualquer ilícito praticado pelo Conselho Administrativo da Petrobras. Até porque muitos dos seus integrantes eram empresários do mercado, com experiência em gestão e aquisições. Cabe destacar que nenhum tinha ligação política com o governo.

2. Está claro, pelas próprias atas do Conselho de Administração da Petrobras, que a compra de 50% das ações de Pasadena foi feita com base em avaliações e informações jurídicas e financeiras consideradas íntegras e cabais. Dois anos depois, o Conselho foi informado que tais informações eram parciais e incorretas, transmitidas por diretor hoje condenado por corrupção.

3. O MPF proferiu parecer em 22 de julho de 2014, dizendo: “…não é possível imputar o cometimento de delitos de nenhuma espécie aos membros do Conselho de Administração, mormente quando comprovado que todas as etapas e procedimentos referentes ao perfazimento do negócio foram cumpridas”.

4. O TCU, em diversos julgamentos entre 2014 e 2017, isentou o Conselho de Administração da Petrobras, presidido por Dilma Rousseff, de prejuízo na compra de Pasadena.

5. A presidenta eleita Dilma Rousseff vai apresentar mais uma vez o devido recurso para comprovar que não houve qualquer ato ilegal ou irregular que o Conselho à época tivesse conhecimento.

ASSESSORIA DE IMPRENSA
DILMA ROUSSEFF

 

 

 

 

Fonte: site de noticias UOL