Responsive Ad Slot

Prepare o bolso: o que vem mais caro na energia a partir de novembro entenda

Postado por Adairton Sousa

29/10/2017 10:51


Crédito: Reprodução

A conta de luz dos brasileiros seguirá com cobrança de taxa extra em novembro, a chamada bandeira tarifária. Para o mês que vem será mantida a bandeira vermelha nível dois, que já estava em vigor em outubro, informou nesta sexta-feira (27) a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Novembro já vai entrar pra deixar o consumidor de olho aberto quanto ao consumo de energia elétrica no país.

Até este mês, a taxa extra com a bandeira vermelha nível dois era de R$ 3,50 a cada 100 kWh (kilowatts-hora) em eletricidade consumidos. No entanto, a Aneel decidiu aumentar o custo extra para R$ 5 a cada 100 kWh consumidos. O novo valor já passa a valer a partir de 1º de novembro. Por isso devemos nos reeducar quanto a métodos de evitar gastos desnecessários, para que os valores não venham muito altos.

Segundo a Aneel, não houve evolução na situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas em relação ao mês anterior, o que justifica a manutenção da bandeira vermelha 2.

As bandeiras começaram a ser cobradas em janeiro de 2015 e servem para cobrir o custo mais alto de gerar energia por meio das usinas termelétricas, quando a falta de chuvas prejudica os reservatórios das hidrelétricas pelo país.

Pouca chuva, conta mais cara

Quando há pouca chuva, o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas cai, o que diminui a produção de energia. Para compensar essa queda, o governo manda acionar usinas termelétricas, a carvão, que são mais caras. Foi o que aconteceu no país desde 2013.

Foi criado, então, o sistema de bandeiras tarifárias, uma cobrança extra na conta de luz para bancar esses custos maiores na produção de energia.

Em 2016, a situação melhorou: choveu mais e subiu o volume dos reservatórios das hidrelétricas. Além disso, o consumo das famílias e indústrias caiu, e novas usinas começaram a funcionar.

Este ano, porém, as chuvas diminuíram e governo voltou a acionar a bandeira tarifária vermelha na conta de luz dos brasileiros.

Por isso, a bandeira foi sendo alterada ao longo do tempo:

Dezembro/16: vigorou a bandeira verde, sem cobrança adicional

Março/17: passou a valer a bandeira amarela, com taxa de R$ 2 a cada 100 kWh

Abril/17: entrou em vigor a bandeira vermelha 1, com taxa de R$ 3 a cada 100 kWh

Junho/17: voltou a valer a bandeira verde, sem cobrança extra

Julho/17: vigorou a bandeira amarela, com taxa de R$ 2 a cada 100 kWh

Agosto/17: entrou a bandeira vermelha 1, com taxa de R$ 3 a cada 100 kWh

Setembro/17: vigorou a bandeira amarela, com taxa de R$ 2 a cada 100 kWh

Outubro/17: vigorou a bandeira vermelha 2, com taxa de R$ 3,50 a cada kWh

A Aneel pede que os consumidores façam o uso eficiente de energia elétrica e combatam os desperdícios.

Nova metodologia e valores

Em outubro, a Aneel decidiu promover mudanças na metodologia das bandeiras tarifárias. A principal alteração foi em relação aos valores, que passam a valer a partir de novembro.

A taxa extra da bandeira vermelha nível 2 subiu de R$ 3,50 para R$ 5 a cada 100 kWh consumidos e a bandeira amarela caiu de R$ 2 para R$ 1 a cada 100 kWh. A bandeira vermelha nível 1 –também chamada de bandeira rosa– permeneceu com cobrança extra de R$ 3.

Além dos novos valores, a agência alterou as regras que ditam qual bandeira será adotada em cada mês. Até então, a definição era feita com base na previsão do custo da termelétrica mais cara acionada para atender à demanda.

Com as novas regras, passa a ser avaliado também o nível de produção das hidrelétricas –com mais chances de acionamento das bandeiras se houver o chamado deficit hídrico (conhecido pelo jargão “GSF), quando as usinas hidrelétricas geram abaixo de suas garantias, que é o montante de energia que elas podem vender no mercado.

Dicas para economizar energia em casa 

  • Troque as lâmpadas incandescentes por fluorescentes. Estas duram mais e utilizam menor quantidade de energia;
  • Não deixe a luz acesa em cômodos desnecessariamente;
  • Pinte as paredes internas e os tetos da casa com cores claras. Elas refletem e espalham a luz para todo o ambiente;
  • Aproveite ao máximo a luz do dia deixando cortinas e portas abertas. Em caso de mesas de trabalho e de leitura, coloque-as próximas às janelas;
  • Deixe os globos e lustres transparentes sempre limpos para aproveitar ao máximo a potência das lâmpadas;
  • No caso dos aparelhos de ar-condicionado, mantenha os filtros sempre bem higienizados;
  • Use o termostato do ar-condicionado para regular a temperatura e evitar a sobrecarga do aparelho
  • Máquina de lavar roupa e ferro de passar consomem bastante energia. Portanto, tente usá-los quando houver bastante roupa acumulada para realizar o trabalho de uma única vez;
  • Em dias secos, ao invés de usar umidificadores eletrônicos, coloque um pano úmido pendurado no recinto e uma bacia com água;
  • Evite deixar aparelhos eletrônicos em stand-by. Apesar de desligados, esse modo pode representar um gasto mensal de até 12%;
  • Evite colocar o fogão e a geladeira próximos um do outro. Eles podem interferir no consumo de energia;
  • Mantenha a borracha de vedação da geladeira sempre em bom estado;
  • Regule a temperatura da geladeira no inverno, ajustando o termostato para evitar desperdício de consumo, e não forre as prateleiras para não exigir esforço redobrado do eletrodoméstico;
  • Quando viajar, desligue a chave geral da casa para não gastar energia com coisas desnecessárias.

 

 

Com informações UOL