Responsive Ad Slot

Acredite se quiser: Fui vítima de armação de ’empresários inescrupulosos’, diz Aécio

Postado por Simone de Moraes

19/10/2017 7:09


Crédito: Foto: Senado

O cinismo de Aécio não têm limite.  Afastado durante mais de 20 dias, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) retomou o mandato, nesta terça-feira, 18, com críticas aos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do grupo J&F, e a integrantes do Ministério Público. No plenário da Casa, Aécio afirmou ser vítima de uma armação “ardilosa” e “criminosa”, preparada por “empresários inescrupulosos” e por “homens de Estado”.

Sem citar nomes, Aécio acusou Joesley e Wesley Batista, donos do grupo J&F, de enriquecerem “às custas do dinheiro público”. Disse ainda que os empresários “não tiveram qualquer constrangimento em acusar pessoas de bem na busca de um benefício de um inaceitável acordo de delação”. “O que é mais grave, contribuíram para essa trama homens de Estado, alguns tinham assento até muito pouco tempo na PGR”, completou.

Aécio afirmou que, aos poucos, considera que “parte da verdade está vindo à tona” e que “novos depoimentos, gravações que haviam sido omitidas, vão dando contorno claro às razões que levaram a essa construção criminosa. “Irei trabalhar a cada dia, a cada instante, para provar a minha inocência.”

O tucano disse também que foi alvo de graves ataques” nos últimos dias por parte de alguns senadores, mas que retorna à Casa “sem rancor ou ódio”. O resultado da votação de ontem foi apertado, por 44 votos a 26 – Aécio precisava de pelo menos 41 votos para derrubar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e retomar o mandato.

Aécio chegou ao Senado por volta das 17 horas desta quarta. No início da tarde, recebeu a notificação formal em sua casa sobre o resultado da votação do plenário que derrubou a decisão do STF e, em seguida, ligou para o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), para informar que iria ao Senado.

“Venho acompanhado da serenidade de homens de bem. Minha história é digna de dedicação, ao longo de 40 anos, aos mineiros e ao Brasil. Estarei pronto para o debate franco e da minha parte sempre de forma respeitosa”, finalizou sem ficar vermelho.

 

Estadão