Responsive Ad Slot

Todos os dias, Temer e Cunha se falavam para tramar a derrubar Dilma

Postado por Simone de Moraes

13/09/2017 16:51


Crédito: Reprodução

Ainda vice-presidência da República indicado pelo PMDB, Michel Temer e o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (hoje na cadeia) maquinavam “diariamente” a derrubada da presidente Dilma Rousseff. A afirmação é do corretor financeiro Lúcio Funaro, que em anexo de sua delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal, descreve a relação como a cúpula do PMDB e como eles nomeavam os “operadores” de Temer em supostos esquemas de corrupção nas empresas públicas.

“Na época do impeachment de Dilma Rousseff, eles confabulavam diariamente, tramando a aprovação do impeachment e, consequentemente, a ascensão de Temer para o cargo de presidente”, disse Funaro na delação ao Ministério Público Federal.
Segundo Funaro, Cunha sempre foi o arrecadador de propinas para o chamado “quadrilhão” do PMDB, enquanto Temer atuava no núcleo político, viabilizando interesses de empresas que pagavam subornos ao grupo.
Segundo relatório da Polícia Federal encaminhado ao STF, Michel Temer liderava uma quadrilha formada para assaltar os cofres do Estado. A PF fez um organograma do “quadrilhão do PMDB” da Câmara no qual indica flechas para Temer, ao lado do ex-deputado Eduardo Cunha (RJ), no comando da “gestão do núcleo político” da quadrilha.
A Temer se reportariam deputados e ex-deputados que atuaram no Planalto, como Geddel Vieira Lima, Henrique Alves, os dois já presos, e Eliseu Padilha, acusado de receber R$ 10 milhões da Odebrecht. Na descrição da PF, o gráfico “tem como referência o presidente Michel Temer, por ser sua excelência justamente o ponto comum entre essas pessoas”. Temer é acusado de ter recebido R$ 31,5 milhões em propinas .
RedePTImprensa