Responsive Ad Slot

Juiz alega que ‘Lava Jato não obedece a regras comuns’ e debocha das leis

Postado por

23/09/2016 19:07


A lei é igual para todos? Não.

Para o desembargador federal Rômulo Pizzolatti e pela Corte Especial do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), que manteve ontem (22), por 13 votos a um, o arquivamento da representação contra Sérgio Moro, o juiz em questão, colega de toga, e contumaz violador das leis, e também peça de alegoria do desmonte do Estado brasileiro, merece o sacrifício da Constituição Federal.

Sergio Moro, portanto, foi poupado de um processo por ter vazado um grampo “presidencial” envolvendo conversa entre Dilma Rousseff e Lula porque, segundo o juiz da ação, a operação na Petrobras não obedece ao ordenamento comum e o Supremo Tribunal Federal perdoa esse tipo de desvio de conduta, quando é para um bem maior.

Moro vazou a conversa entre Lula e Dilma à GloboNews às vésperas da ex-presidente nomear seu antecessor para a chefia do Ministério da Casa Civil. A imprensa tratou o caso como uma escandalosa tentativa de dar foro privilegiado a Lula e livrá-lo das mãos do juiz da Lava Jato. A consequência foi Lula ter sido impedido de assumir a pasta. Ambos foram alvo de pedido de investigação do Ministério Público Federal por obstrução de Justiça.

 

Em junho, o corregedor-regional da 4ª Região decidiu arquivar as reclamações contra Moro. Os 19 advogados recorreram, solicitando a instauração de Processo Administrativo Disciplinar (PAD) contra o juiz e seu afastamento cautelar da jurisdição até a conclusão da investigação.

Segundo o pedido, Moro teria cometido “ilegalidades ao deixar de preservar o sigilo das gravações e divulgar comunicações telefônicas de autoridades com privilégio de foro”. Além disso, as interceptações teriam sido feitas sem autorização judicial.

Segundo Pizzolatti, “não há indícios de prática de infração disciplinar por parte de Moro”. Para ele, a Lava Jato “constitui um caso inédito no Direito brasileiro, com situações que escapam ao regramento genérico destinado aos casos comuns”.

“A publicidade das investigações tem sido o mais eficaz meio de garantir que não seja obstruído um conjunto, inédito na administração da justiça brasileira, de investigações e processos criminais, a Operação Lava Jato, voltados contra altos agentes públicos e poderes privados até hoje intocados”, avaliou Pizzolatti.

O desembargador ainda disse que o Supremo permite, em “casos excepcionais”, a violação de correspondência, para que a garantia constitucional não constitua instrumento de práticas ilícitas.

“Em tal contexto, não se pode censurar o magistrado, ao adotar medidas preventivas da obstrução das investigações da Operação Lava Jato”, concluiu o desembargador.

É um deboche com as Leis.

Com informações do Estadão e do GGN