Responsive Ad Slot

Brasília vai receber mostra de filmes dirigidos só por mulheres

Postado por Luan

22/03/2016 13:04


Crédito: Reprodução

Brasília sediará uma mostra de filmes dirigidos exclusivamente por mulheres a partir da próxima quarta-feira (23). Até 4 de abril, a Mostra Edital Carmen Santos – Cinema de Mulheres e Filmes Convidados exibirá nove curtas e seis médias-metragens premiados pelo Ministério da Cultura (MinC) e sete longas-metragens de cineastas brasileiras.

As sessões, gratuitas, ocorrerão às 17h, 19h e 21h (segundas, quartas, quintas e sextas-feiras) e às 16h, 18h e 20h (sábados e domingos), no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Na terça-feira (22), haverá abertura oficial com a presença do ministro da Cultura, Juca Ferreira.

A mostra é uma iniciativa da Secretaria do Audiovisual do MinC, do CCBB e da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. O evento dá visibilidade às produções contempladas, em 2013, no Edital Carmen Santos Cinema de Mulheres, que teve como objetivo apoiar a produção de médias e curtas-metragens assinados e dirigidos por mulheres. O edital teve investimento, ao todo, de R$ 988.492,56.

Além dos curtas e médias contemplados pelo edital, o público poderá apreciar sete longas-metragens: Califórnia, de Marina Person; Elena e Olmo e A Gaivota, ambos de Petra Costa; Que horas ela volta?, de Anna Muylaert; Amor, plástico e barulho, de Renata Pinheiro; De gravata e unha vermelha, de Miriam Chnaiderman; e Poeira & batom no Planalto Central, de Tânia Fontenele.

Na programação, também estão previstas duas conversas abertas ao público. A primeira delas, Brasília Debate Cinema de Mulheres, ocorrerá em 30 de março e contará com a presença de diversas cineastas da capital federal. A segunda, Debate com Diretoras da Mostra, será realizada em 1º de abril e trará reflexão sobre a importância de ações voltadas para mulheres no audiovisual e o processo de produção de seus filmes. Os debates serão realizados logo após as sessões das 19 horas, também com entrada franca.

O secretário do Audiovisual do MinC, Pola Ribeiro, explica que a Mostra é um momento de reflexão e de referência, que vai ao encontro de uma política brasileira que está sendo desenvolvida e protagonizada por mulheres. “Ao mesmo tempo em que a Mostra coroa um projeto bem-sucedido, dialoga com esse movimento de mulheres que tem dado protagonismo nas (diversas) políticas, (como) a de igualdade de relações de trabalho”, afirmou.

À frente da produção e viabilização da mostra, a coordenadora de programas e projetos da SAv, Lina Távora, participou da produção do edital de 2013. “Ao ver o resultado, vemos um cinema que é múltiplo e que aborda questões fundamentais para nossa sociedade, que ainda é desigual”, comenta.

Presença feminina no audiovisual

No audiovisual, assim como em outros setores, a presença da mulher ainda é menor que a do homem. Segundo estudo divulgado em março deste ano pela Agência Nacional do Cinema (Ancine), a maioria dos filmes brasileiros lançados em 2015 foram dirigidos exclusivamente por homens (74%). As mulheres foram responsáveis por 19% das produções. Os demais filmes (7%) tiveram direção conjunta entre homens e mulheres.

Em outros cargos técnicos, a situação se mantém. Entre os roteiros, 65% foram produzidos por homens, 23%, por mulheres e 12%, por pessoas de ambos os sexos. Já entre os produtores-executivos, 47% foram homens e 41%, mulheres. Os demais filmes (12%) foram produzidos conjuntamente por homens e mulheres.

Filmes premiados

A mostra exibirá nove curtas e seis médias resultantes do Edital Carmen Santos 2013. São eles: Atadas, de Tarsila Venancio Nakamura; Mulher Movente, de Beatriz Taunay da Graça Couto; Prelúdio, de Julia Peres; Como era gostoso o meu príncipe, de Fernanda de Paula Silva; A Festa da Joana, de Vera Milhome Vasques; Na minha sopa não, de Mirela Kruel Bilhar; Os anseios das cunhãs, de Regina Lúcia Azevedo de Melo; Fábula de vó Ita, de Thallita Oshiro e Joyce Prado; Papéis de Adélia, de Ludmilla Rossi de Oliveira (curtas-metragens); Ou isso ou aquilo, de Hadija Chalupe da Silva; De menino, de menina, de Angélica Muniz Valente; A batalha das colheres, de Fabiana de Lima Leite; Quem matou Eloá?, de Lívia Perez de Paula; Viver de mim, de Juily Manghirmalani; e Corpo Manifesto, de Julia Bahia Bock e Carol Araújo (médias-metragens).