Responsive Ad Slot

Jovens que tocavam violão em praça no DF são agredidos por PM

Postado por Luan

24/12/2015 23:15


Crédito: Reprodução

A Polícia Civil investiga um suposto caso de abuso de autoridade de policiais militares contra adolescentes que tocavam violão em uma praça da Asa Norte, em Brasília, na noite desta quarta-feira (23). Vídeo feito por um dos envolvidos na confusão mostra policiais usando spray de pimenta e apontando arma de choque contra pessoas que tentavam evitar a detenção dos jovens. A PM nega que tenha havido abuso.

Por meio de nota, a Polícia Civil informou que uma equipe da Polícia Militar foi à praça na quadra 410 Norte para averiguar denúncia de moradores incomodados com o barulho. Na praça, cerca de 15 pessoas cantavam, tocavam violão e instrumentos de percussão, produzindo “muito barulho”, segundo a nota.

“Os policiais militares no intuito de diminuir o incômodo causado aos moradores, solicitaram aos presentes que diminuíssem o volume da música, porém alguns moradores, parentes dos envolvidos inclusive, aproximaram-se e começaram a discutir e ofender verbalmente os policiais militares. Neste momento, em função do grande tumulto que começava a se formar, foi disparado um jato de spray de gás químico para o alto, no sentido de dispersar a aglomeração”, informou a Polícia Civil.

A Polícia Militar informou ainda que os jovens estavam fazendo barulho com instrumentos musicais, conversando alto e fazendo uso de bebidas alcoólicas e maconha. “Reiteramos que qualquer excesso feito pelos policiais está sendo devidamente apurado através de uma sindicância instaurada pelo comando da corporação”, informou a PM, por nota.

O advogado Rafael Madeira, entretanto, disse que os policiais militares agiram com “abuso e truculência”. Ele afirmou que foi até a 410 Norte para visitar um amigo e se deparou com a coorporação revistando os adolescentes, mesmo com os moradores não os reconhecendo como autores do barulho.

“A PM colocou cinco jovens no camburão e isso é extremamente proibido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. Me apresentei como advogado, mostrei minha carteira da OAB e um dos policiais não quis me devolver. Eles queriam de qualquer forma forjar um flagrante. Mesmo com os adolescentes reclamando que estavam sem ar na viatura, eles continuavam a agir com violência. A mãe de um dos jovens, por exemplo, foi defender o filho e acabou sendo agredida”, afirmou.

Segundo Madeira, os policiais militares jogaram spray de pimenta duas vezes contra adolescentes e moradores. “Um dos jatos me atingiu e um policial militar me ameaçou com uma arma de choque. Mesmo virando de costas e  com as mãos para cima, ele continou a me ameaçar. Uma violência sem fim. Eles [Polícia Militar] acusavam os jovens de estarem usando drogas. Porém, não encontraram nada ilítico com eles.”

Todos os envolvidos foram levados à 5ª DP onde foi registrada a ocorrência. Como havia a participação de adolescentes, eles foram encaminhados à Delegacia da Criança e do Adolescente. De acordo com a Polícia Civil, foi registrada uma ocorrência de perturbação do trabalho ou do sossego alheio, figurando como vítimas dois moradores da quadra, que comunicaram a denúncia.

Na ocorrência,  um adolescente de 17 anos foi responsabilizado pela confusão. Um responsável pelo jovem assinou o termo de compromisso de comparecimento à Justiça, para a liberação do menor.

 

 

Do G1