Responsive Ad Slot

TITULO DA CAMPANHA

“Juventude x Crack”

Postado por Simone de Moraes

28/05/2012 0:10


Crédito: Silvio Abdon / CLDF

Por Evandro Garla – Basta ligar a televisão, abrir o jornal,  acessar a internet ou passar na área central do Distrito Federal, onde existem cerca de dois mil usuários de crack, para nos depararmos com essa realidade cruel e doente, que a sociedade está enfrentando.

É notório que o crack não escolhe suas vítimas por classe social, sexo ou idade. Sabemos que adolescênciaé um momento marcante na vida, mas também conturbado. Nessa fase, o jovem não aceita orientações, pois está testando a possibilidade de ser adulto. É um momento de transição e afastamento da família, tornando-os mais vulneráveis a experimentar, por curiosidade ou auto-afirmação, o crack.

O encontro do adolescente com o crack é muito mais frequente do que se imagina e, por sua complexidade, difícil de ser abordado e controlado. Além disso, os jovens contribuem diretamente para o tráfico do crack, que está diretamente relacionado com os altos índices de homicídios registrados nas grandes cidades.

O crime ocorre quando o usuário já não consegue mais pagar a dívida que vai se acumulando. A disputa por pontos de vendas também gera confrontos armados entre quadrilhas que, em geral, produzem resultado fatal.

O crescimento de acerto de contas entre usuários adolescentes e traficantes, que resulta em óbito está se tornando uma prática mais freqüente do que se é divulgado pelos veículos decomunicação. O que nos faz pensar: se continuarmos inertes a essa realidade, teremos juventude? Afinal, eles estão morrendo de maneira torpe e cruel.

Muito já foi escrito, debatido e divulgado acerca dessa mazela, mas enquanto não houver uma união de forças entre sociedade, entidades civis, militares, igrejas e o Estado funcionando como mecanismo regulador, vamos continuar vendo nossa juventude, abandonando seu futuro, sua família e sua vida, pois nossos jovens estão morrendo.

Estou comprometido com a juventude e acredito no potencial dessa faixa etária da sociedade, que sonha, age e conquista seu espaço. É inadmissível perder esses talentos para o crack.

Ainda acredito que os jovens são o futuro dessa nação, isso não é frase feita é uma constatação lógica, mas para que possamos contar com nossa juventude no futuro, precisamos protegê-los,  mostrar o rumo certo no presente e garantir o cumprimento da garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente, conforme está disposto no ECA- Estatuto da Criança e Adolescente.

Contra o crack só existe uma solução: a união da força de todos no combate contra essa epidemia e um trabalho maciço e freqüente na prevenção.

*Evandro Garla (PRB) é deputado distrital e Ouvidor da Câmara Legislativa

 

(Visited 1 times, 1 visits today)